A DEBANDADA PETISTA PODE SER MAIOR QUE AS PREVISÕES DOS ANALISTAS POLÍTICOS

Postado em Domingo, 20 Setembro 2015 06:59
Avalie este item
(0 votos)

Direção nacional não consegue conter a debandada de líderes e militantes. Mais de 300 filiados, ao menos dois senadores e cerca de 100 prefeitos devem deixar a sigla nas próximas semanas

Antes de iniciar esta  ateria, vamos listar, em ordem cronológica, os 102 escândalos de corrupção que a Polícia Federal investigou ou investiga, desde de que o PT assumiu o poder, em 2003, com a eleição de Lula para o seu primeiro mandato, para que o leitor possa refrescar sua memória:

REPLEXAÃO NACIONAL

01) Caso Pinheiro Landim; 02) Caso Celso Daniel; 03) Caso Toninho do PT; 04) Escândalo dos Grampos;  05) Contra Políticos da Bahia;  06) Escândalo do Propinoduto (também conhecido como Caso Rodrigo Silveirinha) - CPI do Banestado;  07) Escândalo da Suposta Ligação do PT com o MST;  08) Escândalo da Suposta Ligação do PT com as FARC;  09) Escândalo dos Gastos Públicos dos Ministros;  10) Irregularidades do Fome Zero e Escândalo do DNIT (envolvendo os ministros Anderson Adauto e Sérgio Pimentel);  11) Escândalo do Ministério do Trabalho - Licitação Para a Compra de Gêneros Básicos;  12) Caso Agnelo Queiroz (O ministro recebeu diárias do COB para os Jogos Panamericanos);  13) Escândalo do Ministério dos Esportes (uso da estrutura do ministério para organizar a festa de aniversário do ministro Agnelo Queiroz);  14) Operação Anaconda - Escândalo dos Gafanhotos (ou Máfia dos Gafanhotos);  15) Caso José Eduardo Dutra  - Escândalo dos Frangos (em Roraima);  16) Várias Aberturas de Licitações da Presidência da República Para a Compra de Artigos de Luxo;  17) Escândalo da Norospar (Associação Beneficente de Saúde do Noroeste do Paraná);  18) Expulsão dos Políticos do PT;  19) Escândalo dos Bingos (Primeira grave crise política do governo Lula) (ou Caso Waldomiro Diniz);  20) Lei de Responsabilidade Fiscal (Recuos do governo federal da LRF);  21) Escândalo da ONG Ágora;  22) Escândalo dos Copos (Licitação do Governo Federal para a compra de 750 copos de cristal para vinho, champagne, licor e whisky);  23) Caso Henrique Meirelles;  24) Caso Luiz Augusto Candiota (Diretor de Política Monetária do BC é acusado de movimentar as contas no exterior e demitido por não explicar a movimentação);  25) Caso Cássio Caseb;  26) Caso Kroll;  27) Conselho Federal de Jornalismo;  28) Escândalo dos Vampiros;  29) Escândalo das Fotos de Herzog;  30) Uso dos assessores de ministros em Campanha Eleitoral de 2004;  31) Escândalo do PTB (Oferecimento do PT para ter apoio do PTB em troca de cargos, material de campanha e R$ 150 mil reais a cada deputado);  32) Caso Antônio Celso Cipriani (Irregularidades na Bolsa-Escola ); 33) Caso Flamarion Portela;  34) Escândalo de Cartões de Crédito Corporativos da Presidência;  35) Irregularidades do Programa Restaurante Popular (Projeto de restaurantes populares beneficia prefeituras administradas pelo PT);  36) Abuso de Medidas Provisórias no Governo Lula entre 2003 e 2004 (mais de 300);  37) Escândalo dos Correios (segunda grave crise política do governo Lula. Também conhecido como Caso Maurício Marinho) 38);  Escândalo do IRB - Escândalo da Novadata;  39) Escândalo da Usina de Itaipu;  40) Escândalo das Furnas;  41) Escândalo do Mensalão (Terceira grave crise política do governo. Também conhecido como Mensalão);  42) Escândalo do Leão & Leão (República de Ribeirão Preto ou Máfia do Lixo ou Caso Leão & Leão);  43) Escândalo da Secom;  44) Esquema de Corrupção no Diretório Nacional do PT;  45) Escândalo do Valerioduto;  46) Escândalo da Brasil Telecom (também conhecido como Escândalo do Portugal Telecom ou Escândalo da Itália Telecom);  47) Escândalo da CPEM;  48) Escândalo da SEBRAE (ou Caso Paulo Okamotto);  49) Caso Marka/FonteCindam;  50) Escândalo dos Dólares na Cueca;  51) Escândalo do Banco Santos;  52) Escândalo Daniel Dantas - Grupo Opportunity (ou Caso Daniel Dantas);  53) Escândalo da Interbrazil;  54) Caso Toninho da Barcelona;  55) Escândalo da Gamecorp-Telemar (ou Caso Lulinha);  56) Caso dos Dólares de Cuba;  57) Doação de Roupas da Lu Alckmin (esposa do Geraldo Alckimin);  58) Doação de Terninhos da Marísia da Silva (esposa do presidente Lula);  59) Escândalo da Nossa Caixa;  60) Escândalo da Quebra do Sigilo Bancário do Caseiro Francenildo (quarta grave crise política do governo Lula. Também conhecido como Caso Francenildo Santos Costa);  61) Escândalo das Cartilhas do PT - Escândalo do Banco BMG (Empréstimos para aposentados);  62) Escândalo do Proer;  63) Escândalo dos Fundos de Pensão 64);  Escândalo dos Grampos na Abin;  65) Escândalo do Foro de São Paulo;  66) Esquema do Plano Safra Legal (Máfia dos Cupins);  67) Escândalo do Mensalinho;  68) Escândalo das Vendas de Madeira da Amazônia (ou Escândalo Ministério do Meio Ambiente);  69) 69 CPIs Abafadas pelo Geraldo Alckmin (em São Paulo);  70) Escândalo de Corrupção dos Ministros no Governo Lula;  71) Crise da Varig;  72) Escândalo das Sanguessugas (quinta grave crise política do governo Lula. Inicialmente conhecida como Operação Sanguessuga e Escândalo das Ambulâncias);  73) Escândalo dos Gastos de Combustíveis dos Deputados;  74) CPI da Imigração Ilegal;  75) CPI do Tráfico de Armas;  76) Escândalo da Suposta Ligação do PT com o PCC;  77) Escândalo da Suposta Ligação do PT com o MLST;  78) Operação Confraria;  79) Operação Dominó;  80) Operação Saúva;  81) Escândalo do Vazamento de Informações da Operação Mão-de-Obra;  82) Escândalo dos Funcionários Federais Empregados que não Trabalhavam;  83) Mensalinho nas Prefeituras do Estado de São Paulo;  84) Escândalo dos Grampos no TSE;  85) Escândalo do Dossiê (Sexta grave crise política do governo Lula);  86) ONG Unitrabalho;  87) Escândalo dos Fiscais do IBAMA do Rio de Janeiro;  88) Escândalo da Renascer em Cristo;  89) Crise no Setor Aéreo;  90) Detalhes Adicionais;  91) Operação Hurricane (também conhecida Operação Furacão); 92) Operação Navalha; 93) Operação Xeque-Mate;  94) Operação Moeda Verde;  95) Caso Renan Calheiros;  96) Operação Sétimo Céu;  97) Operação Hurricane II (também conhecida Operação Furacão II);  98) Caso Joaquim Roriz (ou Operação Aquarela);  99) Operação Hurricane III (também conhecida Operação Furacão III);  100) Operação Águas Profundas (também conhecida como Caso Petrobras);  101) Escândalo do Corinthians (ou caso MSI);  102) Escândalo na Copa do Mundo 2014 (foi isento pelo PT aproximadamente 1,1 Bilhão de impostos para a FIFA).

Assim caminhou o PT até os dias atuais.  O resultado disso é que as medidas anunciadas pelo governo do PT,  na última segunda-feira, 14, servirão para acelerar a debandada petista e fazer o partido chegar ainda mais fragilizado nas eleições municipais do próximo ano.

O primeiro a fazer o alerta foi o senador Lindbergh Farias, do Rio de Janeiro, um dos parlamentares mais próximos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “O governo atira contra a nossa própria base, o pessoal que costuma ir às ruas para defender o partido e nossas propostas”, disse o senador referindo-se ao pacote anunciado pelos ministros Joaquim Levy e Nelson Barbosa. “Assim fica difícil”, completou Lindbergh.

Não é de hoje que o PT vem perdendo filiados. Desde o escândalo do Mensalão a legenda da estrela vermelha, que já foi reconhecida pela garra de seus simpatizantes, vem se esvaziando. Primeiro foram militantes, alguns históricos como o jurista Hélio Bicudo, que condenaram a compra de apoio político no Congresso e resolveram abandonar o PT. Depois, com o escândalo do Petrolão, a insatisfação aumentou e dezenas de prefeitos eleitos pelo partido buscaram novas legendas com o intuito de evitar que o desgaste da imagem da sigla contaminasse suas gestões e a possibilidade de serem reeleitos.

Apenas no Estado de São Paulo, aproximadamente 20% dos 68 prefeitos eleitos em 2012 já deixaram a agremiação e, segundo cálculos feitos pela direção nacional do PT, nos últimos meses mais de 130 outros prefeitos manifestaram o interesse de sair em todo o País. “Cerca de 80% desses se filiaram ao PT em 2011 quando houve a onda Lula”, disse um dirigente nacional da legenda tentando definir a diáspora petista como se fosse um movimento protagonizado apenas por oportunistas. Trata-se apenas de um discurso que procura tapar o sol com a peneira.

INSATISFAÇÃO GERAL

Depois de perder a senadora Marta Suplicy (SP), o PT deverá sofrer mais duas baixas de importantes lideranças no Senado. Em entrevista, o senador Paulo Paim, do Rio de Grande do Sul, afirma que até o final do ano deverá deixar a legenda. Um dos fundadores e ícone petista, Paim não está satisfeito com os rumos do PT e do governo comandado pela presidente Dilma Roussef. “Nós surgimos para fazer política de uma forma diferente, com ética e princípios que vêm sendo frequentemente agredidos por algumas lideranças”, diz Paim, que poderá nas próximas semanas ligar-se ao PSB, caminho escolhido por grande parte dos petistas

CLEPTOCRACIA

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, e vice-presidente do TSE, sugeriu ao PT nesta sexta-feira, 18, que ‘faça um combate à corrupção, varra a roubalheira que ele instalou no País’. Ao ser indagado se tem medo do PT, que o ameaça processar por seu voto durante julgamento do STF – que por oito votos a três barrou as doações de empresas nas eleições -, o ministro disse. “Seria bom que eles processassem todas essas estruturas que eles montaram.”

As declarações do ministro foram dadas após ele participar de uma mesa de debate do Grupo de Estudos Tributários da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Segundo Gilmar Mendes, ‘na verdade o que se instalou no País nesses últimos anos está sendo revelado na Operação Lava Jato é um modelo de governança corrupta, algo que merece o nome claro de cleptocracia, isso que se instalou’.

Na avaliação do ministro, ‘infelizmente, para eles, e felizmente para o Brasil, deu errado’. Gilmar Mendes atribui ao PT a crise que abala o País. “Estamos nesse caos por conta desse método de governança corrupta. Temos hoje como metodo de governança um modelo cleptocrata.”

RENÚNCIA

A possibilidade de renúncia de Dilma Rousseff já não é descartada dentro do PT. Dirigentes históricos e ligados ao ex-presidente Lula acreditam que ela pode ser levada a uma atitude extrema em caso de total ingovernabilidade do país – o que poderia ocorrer na hipótese de derrota fragorosa do pacote fiscal enviado ao Congresso.

Ainda que o STF (Supremo Tribunal Federal) barre um processo de impeachment, os mesmos dirigentes acreditam que a situação do governo pode ficar insustentável. E que Dilma se retiraria para evitar uma conflagração no país. A presidente tem repetido que não renunciará ao mandato em nenhuma hipótese.

No PT é feito o cálculo de que Dilma tem cerca de três semanas para virar o jogo e se estabelecer novamente como única alternativa de poder no país até 2018.

Para o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, o PT acabou.

NOSSO PONTO DE VISTA

Somos sabedores de que algumas conquistas sociais são fruto do PT de ontem, do PT do retrovisor.  Não do PT de hoje, em que seu mentor, José Dirceu, mesmo preso, consegue arrecadar 300 milhões em propina.  O PT de hoje, confirma as palavras de Gilmar Mendes.

É certo que existem exceções à regra, dentro do próprio PT, mas, hoje, é inconcebível ver cidadãos de bem se candidatarem pelo partido.

É inconcebível, também, ver qualquer eleitor escolher candidatos que coadunem com essa situação.

No Tocantins não é diferente.  Os quadros do partido que almejam alguma chance em 2016, ou colocam suas posições bem claras, hoje, à população, ou mudam de partido.

Quem viver, verá!