A PRESIDENTE DILMA AGONIZA

Postado em Sábado, 16 Abril 2016 22:08
Avalie este item
(0 votos)

Isolada dentro do próprio partido e com aliados corruptos falando alto, a mandatária da nação assiste impotente ao seu próprio fim

 

Por Edson Rodrigues

Num momento ímpar da política brasileira, vemos uma pessoa eleita pelo voto popular apenas estar presidente da República e não sê-lo de fato e de direito.  Dilma Rousseff agoniza, impotente entre as ações para derrubá-la e os últimos esforços do seu partido para permanecer no poder.

O ex-presidente Lula, o PT e os partidos que insistem em assegurar poder à camarilha que conduziu o Brasil ao pior momento da sua história democrática, estão, hoje, maiores que a presidente Dilma Rousseff, mandando mais, decidindo mais e, finalmente, ditando as regras com mais propriedade que a própria mandatária maior do País.

Desde que se assegurou que havia uma quadrilha instalada em seu governo e demitiu alguns de seus componentes, Dilma começou a ser “fritada” dentro do seu próprio partido e pelos principais aliados e viu seu próprio criador, o ex-presidente Lula, afastá-la do seu convívio pessoal.

Por algum tempo, Dilma tentou implantar sua forma de governo, mas construiu seus alicerces sobre uma camada de areia instável, que acabou por soçobrar ante a instabilidade do terreno.

É claro que Dilma tem uma grande parcela de culpa por seu grupo político não ter ganho a força necessária.  De personalidade forte e avessa aos rapapés do poder, Dilma desagradou muita gente.  Sua arrogância e destempero, mostrados em embates com auxiliares, ajudaram a enfraquecer ainda mais sua mal ajambrada base de governo.

Ao fim, percebeu que nunca teve o seu partido, o PT, totalmente ao seu lado e descobriu em seu próprio criador o cérebro por trás do núcleo mandatário do PT, que interferia, sabotava e decidia quais de suas ações seriam levadas adiante.

A partir desse momento, Dilma não teve outra saída senão ceder e se tornar refém de Lula e sua camarilha.  Com essa nova “configuração” de governo, Dilma se deu conta de que 98% dos seus aliados, não eram – nem nunca foram – seus amigos e, sim, amigos do poder.  Amigos do mesmo poder que a fez “subir nas tamancas”, ser arrogante, gostar de manda, enfim, que a cegou a ponto de não perceber a roubalheira que se instalou ao seu redor e atingiu de forma fatal a Petrobras, os Correios, a Ferrovia Norte-Sul, e tantas e tantas outras obras de importância, culminando no mensalão e no petróleo.  O PT agiu como se a impunidade fosse total, mas tropeçou nas convicções do juiz Sérgio Moro e da Operação Lava Jato que, hoje, representa a porta de saída do PT e do legado de Lula das vias do poder no Brasil.

Refém do PT e de seu criador, Dilma viu-se obrigada a se apequenar, a se humilhar para poder contar com a máquina do partido na luta pela permanência no poder, a ponto de, hoje, pegar avião oficial toda semana para ir fazer consultas à Lula, em São Paulo.

Essa situação minou a credibilidade de Dilma e colocou na sombra do processo seus projetos que deram certo, suas ações sociais e seu lado bom de governar.  Até o Minha Casa, Minha vida, seu grande projeto social, acabou engolido pela corrupção, transformando Dilma em um personagem pequeno no grande ato do teatro político que chegará ao seu clímax neste domingo.

 

O TOCANTINS EM MEIO À CRISE POLÍTICA

O mais novo Estado da Federação, com seus um milhão e meio de habitantes, menos que a população de Goiânia, capital de Goiás, não tem o que reclamar em termos de apoio e investimentos federais durante o governo de Dilma Rousseff.

A conclusão da Ferrovia Norte-Sul, a escolha de um dos seus políticos para um dos principais ministérios – Kátia Abreu na Agricultura –, o atendimento da maioria dos pleitos apresentados pelo senador Vicentinho Alves e do seu filho, deputado federal Vicentinho Jr., a viabilização de milhões de reais para a construção de casas populares, asfaltamento de rodovias, recuperação de estradas vicinais, construção de UPAs, a continuidade do projeto Luz para Todos, a construção da Usina de Peixe, a revitalização do projeto Rio Formoso, ampliação do campus da UFT em Palmas e Porto Nacional, a liberação de cursos de medicina, odontologia, enfermagem e engenharia, além de outras ações, foram fruto do bom relacionamento dos políticos tocantinenses com a presidente Dilma Rousseff em pessoa, ressalte-se, não com o PT em si.

 

OS JUDAS DO IMPEACHMENT

O governador Marcelo Miranda e seus familiares sabem muito bem o que a presidente Dilma está passando nestes momentos que antecedem o “dia D” de seu governo.  Assim como a credibilidade a capacidade e a integridade da presidente estão sendo esquartejados em praça pública, a família de Marcelo Miranda passou pela mesma crueldade, sendo expostos de maneira leviana e vexatória por veículos de comunicação interessados na proximidade do poder em detrimento da apuração das informações, incitados por políticos mal intencionados.

O caso de Marcelo Miranda e família foi um processo sangrento e impiedoso, em que o governador acabou tendo seus direitos políticos cassados por causa da doação de óculos dentro do projeto Governo Mais Perto de Você.

Assim como Dilma, Marcelo percebeu que seus amigos eram, na verdade, amigos do poder.  Alguns dos mais próximos, chegaram a votar pela desaprovação das contas do seu governo, tornando-o inelegível por longos oito anos e, mesmo assim, neste novo governo de Marcelo Miranda, deram um jeito de estarem próximo a ele, alguns até mandando e desmandando, afastando e exonerando pessoas que ajudaram o governador a se reerguer politicamente, mas que hoje estão no cais, a ver navios.

Dilma experimenta do mesmo amargo fel das amizades interesseiras.  Delcídio do Amaral, que chegou a ser líder do governo na Câmara Federal, hoje é a garganta mais temida e mais afiada no andamento das investigações da Operação Lava Jato e suas delações premiadas.  Assim como Delcídio, o marqueteiro que talhou a imagem da Dilma para a reeleição, hoje talha uma imagem horrenda do seu governo, em outra ação de Judas, entregando de bandeja à Polícia Federal as malversações do dinheiro público desviado pelo PT do bolso dos contribuintes para suas contas na Suíça.

 

FIÉIS ATÉ O FIM

Os políticos tocantinenses guardam uma característica peculiar em suas formas de atuar:  são fiéis aos seus companheiros e às suas ideologias.  Foi por essa característica que Kátia Abreu, Irajá Abreu, Vicentinho Alves e Vicentinho Jr. Conseguiram tantos benefícios para o Tocantins durante o governo Dilma Rousseff.

Desde o início se posicionaram ao lado da presidente – e não do PT – agindo de acordo com o que ela esperava deles, sem nenhuma surpresa em acordos ou votações.  Eles foram dos poucos políticos com sede em Brasília que respeitaram a pessoa Dilma Rousseff e, por conseguinte, a presidente Dilma Rousseff, reconhecendo sua autoridade como presidente da República e mantendo-se afastados do partido da presidente e de suas ações espúrias relativas ao erário público.

Kátia Abreu foi a única ministra escolhida pela própria presidente Dilma Rousseff e assumiu o ministério da Agricultura, comercialmente o mais importante do governo, com total liberdade para a escolha dos seus assessores.  Seu filho, Irajá Abreu, deputado federal, também foi agraciado por Dilma na liberação de recursos e autorização de emendas parlamentares.  Do PT, Kátia sempre quis distância, pois foi alçada ao posto de inimiga pública número um do ex-presidente Lula, quando o derrotou na tentativa de ressuscitar a CPMF em seu segundo mandato.

O senador Vicentinho Alves contou com o apoio de Dilma em várias demandas parlamentares, orientou seu filho, deputado federal Vicentinho Jr. a agir de acordo com as necessidades da presidente no Congresso e relevou os esforços do PT em derrota-lo na sua intenção de assumir a primeira-secretaria da Mesa Diretora do Senado, ou seja, é mais um fiel à Dilma, mas completamente afastado do PT.

Traduzindo em miúdos, os parlamentares tocantinenses que permanecem ao lado de Dilma não estão indo contra a onda popular que quer a saída de Dilma e do PT do poder.  Eles estão, sim, mantendo a tradição de fidelidade àqueles que também lhes são fiéis e seus posicionamentos devem ser entendidos desta forma pelo eleitorado tocantinense.

Da mesma forma, o senador Ataídes Oliveira e seus seguidores, sempre esteve na oposição ao governo Dilma e assim se manteve até hoje.  Se esmeraram em denunciar a corrupção do governo petista e não se omitiram nas votações e ações contra a corrupção.  Logo, também devem ser parabenizados por se manterem fiéis à sua ideologia.

 

IMPEACHMENT IRREVERSÍVEL

Se não houver nenhuma surpresa, neste domingo a presidente Dilma Rousseff começará – de fato – a enfrentar um processo de impeachment que se horizonta irreversível ante a mobilização popular e o posicionamento da maioria dos partidos.

Esperamos que os que estão organizando o afastamento da presidente da República não façam com o Brasil o mesmo que foi feito com o Tocantins, depois da cassação de Marcelo Miranda.  O estado foi sucateado, dilapidado, teve sua economia atacada, recursos desviados da Saúde, do Igeprev, concessão de promoções e progressões salariais sem planejamento, deixando a máquina estatal de pires na mão e unicamente dependente dos repasses do Fundo de Participação dois Estados – FPE.

Os vários segmentos sociais que, no Tocantins, vêm combatendo o PT e pedindo a saída da presidente Dilma, apenas estão reverberando o sentimento da sociedade, que não quer mais ser vítima do governo mais nefasto, corrupto e descompromissado com a economia; líder de índices de desemprego e responsável pela volta da inflação.

Com o fim do processo de impeachment, seja o resultado que for, com a saída ou com a permanência da presidente Dilma, é preciso que o povo brasileiro – políticos incluídos – se desarmem e assumam as ferramentas para a reconstrução do Brasil, como um País mais justo, mais responsável e mais comprometido com a recuperação econômica, o único caminho para que a crise seja vencida.

Independentemente do resultado da votação deste domingo, o Brasil está provando sua maturidade democrática e não pode perder essa oportunidade para voltar ao eixo econômico e social que o alçou, num passado recente, ao patamar de          “emergente” ante a comunidade mundial.  Patamar esse, jogado na sarjeta pelo governo petista.

 

AS ACUSAÇÕES CONTRA O GOVERNO DO PT

A comissão de impeachment analisa duas acusações de irregularidade na gestão fiscal: o uso de "pedaladas" para maquiar as contas públicas e a publicação de decretos de crédito suplementar para criar despesas extras mesmo sem autorização prévia do Congresso e com a arrecadação do governo em queda.

O que são as duas coisas:

As "pedaladas fiscais" são como ficaram conhecidos os atrasos nos repasses da União a bancos públicos para cobrir gastos dessas instituições com programas do governo. Esses gastos poderiam ser, por exemplo, pagamentos de benefícios como seguro-desemprego ou o Bolsa Família. Ou então, subsídios para que os bancos concedessem empréstimos com juros mais baratos a empresários e agricultores. A maior parte das "pedaladas" refere-se a empréstimos do BNDES a empresas.

É natural haver, eventualmente, descasamento dessas operações. No caso dos benefícios, por exemplo, o governo repassa previamente valores de acordo com a estimativa de gastos para o mês. No entanto, pode acontecer de o banco, em determinado mês, ter que pagar mais seguro-desemprego do que o previsto e, por isso, usar recursos próprios para fazer o pagamento.

O que os juristas autores da denúncia apontam como crime de responsabilidade é o fato de, a partir de 2013 e 2014, esses atrasos terem se acumulado por um período longo de tempo, somando valores muito altos – no que seria uma estratégia deliberada de maquiar as contas públicas. Isso, dizem, permitiu que o governo escondesse da sociedade que a situação fiscal era pior do que as estatísticas oficiais indicavam – dando margem para que não fossem cortados gastos com seus programas em pleno ano eleitoral de 2014.

Eles destacam ainda que essas operações estariam desrespeitando a Lei de Responsabilidade Fiscal que, em seu artigo 36, proíbe bancos públicos de emprestar recursos à União. Como esses valores atrasados foram corrigidos por juros, os denunciantes argumentam que se tratou de uma operação de crédito.

 

"Operações de crédito que foram feitas por longo prazo, em quantias exorbitantes, que não se confundem com aquilo que pode se chamar de fluxo de caixa e que pode ter ocorrido no governo Fernando Henrique e no governo Luís Inácio Lula da Silva", disse, exaltado, Reale Júnior à comissão.

Ele atribuiu a atual crise econômica às pedaladas: "Crime não é apenas botar a mão no bolso do outro e roubar dinheiro. Crime também é eliminar as condições desse país de ter desenvolvimento, cujas bases é responsabilidade fiscal".

As pedaladas foram um dos motivos que levaram Tribunal de Contas da União (TCU) a recomendar que o Congresso rejeite as contas do governo federal de 2014 – no entanto os parlamentares até hoje ainda não votaram a questão.

Segundo relatório do procurador junto ao TCU Júlio Marcelo citado na denúncia, os atrasos aos bancos públicos, acumulados desde anos anteriores, somaram R$ 40,2 bilhões no primeiro semestre de 2015 – um aumento em relação ao estoque verificado em 2014 (R$ 37,5 bilhões).

Para os denunciantes, é importante comprovar que essas operações tiveram continuidade em 2015 porque muitos juristas consideram que, como Dilma foi reeleita para um novo mandato, ela não poderia ter o atual mandato cassado por eventuais crimes cometidos no mandato anterior.

Por esse motivo também que os juristas acrescentaram posteriormente à denúncia as acusações de irregularidades na publicação de seis decretos de suplementação orçamentária em 2015, que somam R$ 2,5 bilhões.

Segundo eles, o artigo 167 da Constituição prevê que "a abertura de crédito suplementar" não pode ser feita sem autorização prévia do Congresso. Além disso, argumentam que essa previsão de aumento de despesas foi feita quando o governo já sabia que não conseguira cumprir a meta de superávit primário (economia para pagar juros da dívida).

 

OS CRIMES DO PT

É quase interminável a lista de escândalos/corrupção praticados pelo PT (membros) nesses últimos 09 anos. Foram bilhões roubados e nenhum deles está preso. Não é à toa que dizem: o brasil é a nação da impunidade. A certeza da impunidade é garantia de fabricação de novos ladrões, nascidos nas classes políticas.

 

* Caso Pinheiro Landim

* Caso Celso Daniel

* Caso Toninho do PT

* Escândalo dos Grampos Contra Políticos da Bahia

]* Escândalo do Propinoduto (também conhecido como Caso Rodrigo Silveirinha)

* CPI do Banestado

* Escândalo da Suposta Ligação do PT com o MST]

* Escândalo da Suposta Ligação do PT com a FARC

* Escândalo dos Gastos Públicos dos Ministros

* Irregularidades do Fome Zero

* Escândalo do DNIT (envolvendo os ministros Anderson Adauto e Sérgio Pimentel)

* Escândalo do Ministério do Trabalho* Licitação Para a Compra de Gêneros Básicos

* Caso Agnelo Queiroz (O ministro recebeu diárias do COB para os Jogos Panamericanos)

* Escândalo do Ministério dos Esportes (Uso da estrutura do ministério para organizar a festa de aniversário do ministro Agnelo Queizoz)

* Operação Anaconda* Escândalo dos Gafanhotos (ou Máfia dos Gafanhotos)

* Caso José Eduardo Dutra* Escândalo dos Frangos (em Roraima)

* Várias Aberturas de Licitações da Presidência da República Para a Compra de Artigos de Luxo

* Escândalo da Norospar (Associação Beneficente de Saúde do Noroeste do Paraná)

* Expulsão dos Políticos do PT

* Escândalo dos Bingos (Primeira grave crise política do governo Lula) (ou Caso Waldomiro Diniz)

* Lei de Responsabilidade Fiscal (Recuos do governo federal da LRF)

* Escândalo da ONG Ágora

* Escândalo dos Corpos (Licitação do Governo Federal para a compra de 750 copos de cristal para vinho, champagne, licor e whisky)

* Caso Henrique Meirelles

* Caso Luiz Augusto Candiota (Diretor de Política Monetária do BC, é acusado de movimentar as contas no exterior e demitido por não explicar a movimentação)

* Caso Cássio Caseb* Caso Kroll* Conselho Federal de Jornalismo

* Escândalo dos Vampiros* Escândalo das Fotos de Herzog

* Uso dos Ministros dos Assessores em Campanha Eleitoral de 2004

* Abuso de Medidas Provisórias no Governo Lula entre 2003 e 2004 (mais de 300)

* Escândalo dos Correios (Segunda grave crise política do governo Lula. Também conhecido como Caso Maurício Marinho)

* Escândalo do IRB* Escândalo da Novadata

* Escândalo da Usina de Itaipu* Escândalo das Furnas

* Escândalo do Mensalão (Terceira grave crise política do governo. Também conhecido como Mensalão)

* Escândalo do Leão & Leão (República de Ribeirão Preto ou Máfia do Lixo ou Caso Leão &Leão)* Escândalo da Secom

* Esquema de Corrupção no Diretório Nacional do PT

* Escândalo do Valerioduto

* Escândalo do Brasil Telecom (também conhecido como Escândalo do Portugal Telecom ou Escândalo da Itália Telecom)

* Escândalo da CPEM

* Escândalo da SEBRAE (ou Caso Paulo Okamotto)

* Caso Marka/FonteCindam

* Escândalo dos Dólares na Cueca

* Escândalo do Banco Santos

* Escândalo Daniel Dantas – Grupo Opportunity (ou Caso Daniel Dantas)

* Escândalo da Interbrazil

* Caso Toninho da Barcelona

* Escândalo da Gamecorp-Telemar (ou Caso Lulinha)

* Caso dos Dólares de Cuba

* Doação de Roupas da Lu Alckmin (esposa do Geraldo Alckimin)

* Doação de Terninhos da Marísa da Silva (esposa do presidente Lula)

* Escândalo da Nossa Caixa

* Escândalo da Quebra do Sigilo Bancário do Caseiro Francenildo (Quarta grave crise política do governo Lula. Também conhecido como Caso Francenildo Santos Costa)

* Escândalo das Cartilhas do PT

* Escândalo do Banco BMG (Empréstimos para aposentados)

* Escândalo do Proer

* Escândalo dos Fundos de Pensão

* Escândalo dos Grampos na Abin

* Escândalo do Foro de São Paulo

* Esquema do Plano Safra Legal (Máfia dos Cupins)

* Escândalo do Mensalinho

* Escândalo das Vendas de Madeira da Amazônia (ou Escândalo Ministério do Meio Ambiente).

* 69 CPIs Abafadas pelo Geraldo Alckmin (em São Paulo)

* Escândalo de Corrupção dos Ministros no Governo Lula

* Crise da Varig

* Escândalo das Sanguessugas (Quinta grave crise política do governo Lula. Inicialmente conhecida como Operação Sanguessuga e Escândalo das Ambulâncias)

* Escândalo dos Gastos de Combustíveis dos Deputados

* CPI da Imigração Ilegal* CPI do Tráfico de Armas

* Escândalo da Suposta Ligação do PT com o PCC

* Escândalo da Suposta Ligação do PT com o MLST

* Operação Confraria

* Operação Dominó

* Operação Saúva

* Escândalo do Vazamento de Informações da Operação Mão-de-Obra

* Escândalo dos Funcionários Federais Empregados que não Trabalhavam

* Mensalinho nas Prefeituras do Estado de São Paulo

* Escândalo dos Grampos no TSE

* Escândalo do Dossiê (Sexta grave crise política do governo Lula)* ONG Unitrabalho* Escândalo dos Fiscais do IBAMA do Rio de Janeiro

* Escândalo da Renascer em Cristo

* Crise no Setor Aéreo Brasileiro

* CPI das ONGs

* Operação Testamento

* CPI do Apagão Aéreo (Câmara dos Deputados)

* CPI da Crise Aérea (Senado Federal e Câmara dos Deputados)

* Operação Hurricane (também conhecida Operação Furacão)

* Operação Navalha

* Operação Xeque-Mate

* Operação Moeda Verde

* Caso Renan Calheiros

* Operação Sétimo Céu

* Operação Hurricane II (também conhecida Operação Furacão II)

* Caso Joaquim Roriz (ou Operação Aquarela)

* Operação Hurricane III (também conhecida Operação Furacão III)

* Operação Águas Profundas (também conhecida como Caso Petrobras)

* Escândalo do Corinthians (ou caso MSI)

Oremos, irmãos!

 

Última modificação em Sábado, 16 Abril 2016 22:33