CAOS: O BRASIL A UM PASSO DE SE TORNAR A PRÓXIMA VENEZUELA. REUNIÃO VAI DEFINIR DESEMBARQUE DO PSDB

Postado em Sábado, 08 Julho 2017 11:31
Avalie este item
(0 votos)

Crise política e econômica, deflação e manifestações populares.  O que falta para o Brasil enfrentar os problemas que assolam nosso vizinho pode sair de decisão a ser tomada hoje pelos tucanos

 

Por Edson Rodrigues

 

O Brasil caminha a passos largos rumo ao mesmo caos que toma conta da Venezuela, nosso vizinho sul-americano mergulhado em um cotidiano de fome, miséria, protestos e um governo que insiste em afirmar que tudo vai bem.

 

O Brasil enfrenta seu pior momento econômico em décadas, com uma deflação que ameaça paralisar de vez vários setores da economia.  Enquanto isso, as instituições que poderiam controlar ou mitigar esses problemas, sofrem com a perda de comando e de poder de ação. A classe política, apodrecida, se limita a legislar em próprio benefício e encontrar saídas para que a Polícia Federal não cruze seus caminhos.

 

O desemprego já bate na casa dos 14 milhões.  61 milhões de brasileiros estão inadimplentes, os índices de criminalidade crescem exponencialmente e as drogas e o narcotráfico invadem os lares.

 

Nossa saúde pública sangra de forma dolorosa, com unidades sendo fechadas, pacientes amontoados nos corredores e falta de material básico.  Os policiais deixam de fazer o seu trabalho por falta de combustível, armamentos e equipamento de proteção.  Até a expedição de passaportes está paralisada por falta de verbas.  A situação atingiu um ponto em que nem quem tem condições de deixar o país pode fazê-lo.

 

PSDB PODE “ABRIR A VALA” PARA TEMER

Uma reunião, neste sábado, na casa do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pode significar o início do fim do governo Temer.  No encontro o alto tucanato vai definir, finalmente, se o partido desembarca de vez do governo Temer, deixando o PMDB praticamente isolado e o país completamente sem governo.

 

Sem governo significa sem controle.  Sem controle significa sem fiscalização.  Sem fiscalização significa sem arrecadação.  Sem arrecadação significa sem verba.  Sem verba significa estados e municípios órfãos, abandonados, muitos sem seu único meio de sobrevivência.

Estados e municípios sem dinheiro significa funcionalismo sem salários. Funcionalismo sem salários significa sindicatos nas ruas.  Sindicatos nas ruas significa desordem, protestos e manifestações. 

 

Traduzindo em miúdos, o caos se anuncia bem próximo tanto para o Brasil, enquanto país, quanto para o governo de Michel Temer.  Mas, não se iludam os tucanos.  O desembarque do PSDB também significa um furacão nas hostes emplumadas, pois, em desembarcando do governo, perdem-se cargos.  Perdendo-se cargos, perdem-se, também os foros privilegiados e, venhamos e convenhamos, muitos “pássaros de bico grande” vão direto pra “gaiola”.

 

NUVENS NEGRAS

O pior é que nosso horizonte apresenta nuvens negras para um futuro próximo.  A arrecadação de impostos, a partir de agosto ou setembro, vai imbicar num viés de baixa constante.  Sem arrecadação, cai a distribuição de verbas da União para estados e municípios.  Sem repasse, estados e municípios, já comprometidos, vão sucumbir ante as necessidades da população.

 

A situação se desenha como uma epidemia que vai se espalhar pelos quatro cantos do Brasil, atingindo os cidadãos sem distinção de raça, credo, religião, situação econômica ou qualquer outro dogma social que sirva para diferenciar cada pessoa.

 

Analistas colocam o prognóstico da situação brasileira bem próxima da realidade vivida, hoje, pela Venezuela, com saques a supermercados, farmácias e lojas de departamento, desordem nas vias públicas e soldados nas ruas.

 

Assim como no nosso país vizinho, 2018 pode se transformar em um período negro, sem previsões de recuperação em médio prazo.  Tudo culpa de uma classe política gananciosa, irresponsável e descompromissada com o bem comum, afundada em crimes de corrupção e sem lastro ético para realizar reformas.

 

Outro culpado disso é o eleitor que, por mais avisado que foi, teimou em trocar seu voto por um botijão de gás, por uma conta paga, um óculos, um gole de pinga, uma botina ou por meros 50 reais da boca de urna.

 

SISEPE E A FALTA DE BOM SENSO

Enquanto o mundo desaba em Brasília o Sisepe trata de garantir que o Tocantins não passe incólume.  A ação imposta pelo Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do Tocantins por conta de uma alegada diferença de pouco mais de três por cento – isso mesmo, três por cento! – em seus vencimentos, o presidente da entidade, Cleiton Pinheiro, resolveu impetrar uma ação contra o governo Marcelo Miranda.

 

A falta de bom senso desse senhor pode acabar com os servidores tocantinenses ficando sem – além dos alegados três por cento – os seus vencimentos em dia, passando a receber de forma parcelada ou, até mesmo atrasada.

 

A questão é que o nada sensato Cleiton Pinheiro, não conseguiu, ainda, fazer a leitura do quadro acima descrito – coisa que até as crianças, no colégio, já sabem – e com sua atitude eleitoreira e irresponsável, pode arrastar o Tocantins, um estado novo, ainda não industrializado e que depende muito dos repasses do FPE para manter suas contas em dia, a se juntar á fila dos estados que não conseguem pagar em dia os salários dos servidores e que precisam fazer romaria em Brasília para conseguir recursos.

O problema é que, agora, nem Brasília parece ser uma solução.

 

A quem vamos recorrer?

Que Deus nos proteja!

Última modificação em Domingo, 09 Julho 2017 21:33