Marcelo Miranda busca fortalecer relações comerciais e institucionais com visita ao Japão

Postado em Sexta, 15 Setembro 2017 10:17
Avalie este item
(0 votos)

Com o objetivo de fortalecer as relações comerciais e institucionais com o Japão e buscar investimentos para a agroindustrialização do Estado, o governador Marcelo Miranda visita Tóquio (Japão), no período de 15 a 23 de setembro, quando fará a apresentação do programa Tocantins Agro e uma série de visitas a investidores potenciais com quem o Tocantins já mantém tratativas visando investimentos futuros.

Integram a comitiva do governador Marcelo Miranda à Tóquio o senador Vicentinho Alves; a deputada federal Dulce Miranda; o chefe do Escritório de Representação em Brasília, Renato de Assunção; o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Turismo e Cultura, Alexandre de Castro; o secretário de Estado do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária, Clemente Barros; a subsecretária de Estado da Comunicação Social, Ivonete Motta; além do ajudante de Ordens do Gabinete do Governador, Humberto Parrião; e do fotógrafo do Gabinete, Pedro Barbosa. Agenda de trabalho Apresentar o Tocantins e suas potencialidades é uma das pautas principais da agenda de trabalho. Com o apoio da Embaixada do Brasil em Tóquio, na terça-feira, 19, será realizado um seminário de apresentação do Estado, com ênfase no estudo de cadeias produtivas de suinocultura e avicultura, dirigido à representantes de cooperativas, indústrias, bancos, além de organizações governamentais como a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), o Banco de Cooperação Internacional do Japão (JBIC) e do Ministério da Agricultura, Floresta e Pesca, do Japão. O encerramento do seminário será feito pelo embaixador do Brasil no Japão, ministro André Aranha Corrêa do Lago.

Na agenda de trabalho estão previstas muitas visitas estratégicas em busca de investimentos para o crescimento do Tocantins. Marcelo Miranda e a comitiva serão recebidos por empresários que já demonstraram interesse em investir no Tocantins e com quem o Estado já mantém diálogo visando investimentos e parcerias futuras. Uma das empresas é a Zen-No, que reúne em torno de si 993 cooperativas associadas e abastece cerca de 30% do mercado de ração japonês. Além da comercialização de produtos agrícolas, a Zen-No opera terminais portuários no Brasil, em cooperação com o Grupo Amaggi & Loius Dreyfus Terminais Portuários, e nos mercados de soja e milho, com a Amaggi & Loius Dreyfys Commodities.

Outra visita estratégica do Governo do Tocantins será à Mayekawa, empresa de tecnologia industrial que atua em atividades como alimentos (frigoríficos, centro de distribuição), bebidas (cervejarias, refrigerantes, lácteos), química, petroquímica, óleo e gás. A relação comercial com a empresa já está avançada, uma vez que representantes da Mayekawa e da Jica se reuniram em audiência com o governador Marcelo Miranda no dia 4 de setembro, ocasião em que os empresários demonstraram interesse em instalar uma planta industrial no Tocantins, com financiamento da agência governamental.

Outra visita de suma importância será à Toyota Tsusho Corporation, companhia mercantil internacional do Grupo Toyota, com atuação em negócios de comércio, fabricação e processamento de vendas de varejo e serviços em todo o mundo, que opera no Tocantins por meio de uma subsidiária, e que poderá financiar negócios privados de infraestrutura de armazenagem, além de produção de alimentos voltados para o mercado externo.

Relações estreitas e parcerias de investimentos Terceira maior economia do planeta, atrás apenas dos Estados Unidos e da China, o Japão é um dos principais parceiros do Brasil em projetos de cooperação técnica, realizados por meio da Jica. A relação diplomática entre o Brasil e o Japão ultrapassa 120 anos. No Tocantins, os investimentos do Japão se aproximam de US$ 150 milhões.

O interesse do país pelo Estado é constante, tanto que logo que o então embaixador do Japão no Brasil, Satoru Satoh, apresentou suas credenciais, em março passado, uma das primeiras visitas oficiais que ele realizou foi ao governador Marcelo Miranda.

No final de junho deste ano, o governador Marcelo Miranda, acompanhado da primeira-dama do Estado e deputada federal, Dulce Miranda, e do senador Vicentinho Alves, estiveram na embaixada do Japão, em Brasília (DF), quando trataram da apresentação do projeto Tocantins Agro nesta visita oficial ao Japão, que ocorre agora em setembro.

O projeto foi apresentado à Embaixada em outubro de 2016 e tratado também na visita do embaixador japonês ao Tocantins, em março de 2017. No encontro do dia 28 de junho, foram definidas as próximas etapas. “O Japão é um parceiro do Estado há muito tempo, em projetos que sempre trouxeram retornos positivos de forma bilateral. Hoje viemos ao embaixador dar continuidade à essa nova parceira e acreditamos que pode ser um importante avanço no processo de industrialização do Estado”, afirmou o governador Marcelo Miranda na ocasião.

Convidados da Comitiva Viajam como convidados, sem ônus para o Estado, o vice-presidente da Federação das Indústrias do Tocantins (Fieto), Roberto Stival Jr e o assessor José Roberto Fernandes; o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Eduardo de Carvalho; além dos representantes da Nippon Koei Lac, Massayuki Honjo e Roberto Kurokawa.
Denúncia é bem feita, mas difícil de provar, diz ex-ministro do STJ3 Aiuri Rebello Do UOL, em São Paulo 15/09/201704h00 Ouvir texto 0:00 Imprimir Comunicar erro Alan Marques/Folhapress Gilson Dipp, ex-ministro do STJ e do TSE.

 

Fachin torna preventiva a prisão de Joesley e Saud, que devem ir para papuda

 

A prisão temporária de Joesley Batista e seu cúmplice Ricardo Saud, que se encerraria à meia-noite desta quinta-feira (14), foi convertida em oprisão preventiva, sem prazo para acabar, por decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).
Presos na carceragem da Polícia Federal em Brasília, o mais provável agora é que a dupla venha a ser transferida para o presídio da Papuda.


Fachin levou em conta a possibilidade de os executivos destruírem provas e voltarem a cometer crimes. “A aparente prática reiterada de crimes que pesa contra os representados confere plausibilidade ao risco de prática de novos delitos”, escreveu o ministro.
Com a transformação da prisão em preventiva, está descartada a transferência de Joesley para a Policia Federal em São Paulo, onde seu irmão Wesley está preso. Contra Joesley, agora, há dois mandados de prisão preventiva.

 

Lula ataca Palocci, mas ex-ministro sempre foi seu homem de confiança

Antônio Palocci, de quem Lula fala mal pelas malfeitorias reveladas, foi seu homem de confiança na campanha presidencial de 2002, que coordenou. Não fosse Lula, Palocci jamais voltaria à cena política, após o caseiro Francenildo derrubá-lo do Ministério da Fazenda. Em 2010, Lula impôs Palocci e o marqueteiro João Santana à campanha da Dilma, que os detestava. Com respaldo de Lula, Palocci atropelou Fernando Pimentel, antigo aliado de Dilma, hoje governador de Minas. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O objetivo de Lula, impondo Palocci, era manter controle total sobre a campanha de Dilma, em 2010. Inclusive na arrecadação de dinheiro.

Para contrabalançar o avanço de Lula, Dilma chamou José Eduardo Cardozo (odiado por ele) para dividir o comando da campanha.

Dilma eleita, Lula impôs Palocci para chefiar a Casa Civil e Gilberto Carvalho a Secretaria-Geral, mantendo Dilma na rédea curta.

Denúncias de Janot contra PT, PMDB e PP devem ajudar Temer a barrar nova acusação na Câmara

Batalha final A última flecha lançada por Rodrigo Janot contra Michel Temer encontrará um Congresso organizado para o contra-ataque. Ao fazer denúncias em série contra os maiores partidos do país às vésperas de deixar o posto, o ainda chefe da PGR engrossou o caldo corporativista que dará o tom da resposta do Legislativo a ele. Temer precisa, sim, reorganizar a base. Mas fará isso em cenário menos adverso e ao mesmo tempo em que a CPI da JBS tentará reescrever a história do procurador-geral.

Roteiro Partidos da base aliada orientaram seus membros a usarem a CPI para explorar, de saída, as ligações entre o ex-procurador Marcello Miller e a advogada Fernanda Tórtima. Querem apresentar Janot como a ponta de uma lança composta pelo ex-procurador e a advogada para direcionar delações.

Imprevisto Entusiastas da denúncia contra Temer lembram que, apesar da forte resistência do Congresso a Janot, há um fator que deixa o presidente fortemente exposto: o ex-ministro Geddel Vieira Lima, que está preso.
Avisado Encarcerado na última sexta (8), Geddel afirmou a aliados, há alguns meses, que o presidente deveria se preocupar menos com sua imagem e mais “com a própria pele”. Segundo o relato, ele concluiu dizendo: “Não aguento uma semana preso”.
Esqueceram dele? Integrantes do Judiciário e do Congresso estranharam o fato de a PGR de não ter recorrido da decisão do ministro Edson Fachin de negar a prisão temporária de Miller. Lembram que, na Lava Jato, a regra sempre foi insistir.
Tudo vale a pena Prestes a passar o comando do Ministério Público Federal para Raquel Dodge, o clima na equipe de Rodrigo Janot é de pesar pela forma como ele encerra o mandato. O procurador-geral fará um balanço de sua gestão aos integrantes da PGR nesta sexta-feira (15).

Aproveitando Os partidos insatisfeitos com Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) vão usar a votação da segunda denúncia para pressionar Temer a tirar o tucano do Planalto. PP e PR estão na linha de frente.

Veio a calhar No dia em que Janot apresentou nova denúncia contra o presidente, Augusto Coutinho (SD-PE) protocolou projeto que proíbe substituições na CCJ.,

É guerra O ministro do STJ João Otávio de Noronha voltou a fazer ataques à presidente da corte, Laurita Vaz. Acusou-a de usar dois pesos e duas medidas ao cobrar investigação sobre a suposta ação de uma advogada, Renata Araújo, para influenciar decisões do tribunal.
É guerra 2 “Em nome da transparência republicana”, disse Noronha em mensagem aos colegas, “não deveria a presidente, a nova moralista da República, esclarecer que sua filha foi estagiária e depois trabalhou no escritório de Renata Araújo?”. Procurada, Vaz não respondeu.
Começar de novo De olho em seu xadrez interno, o prefeito João Doria tem se reaproximado de integrantes do PSDB aliados a Aécio Neves (MG). Quando o senador foi alvo do escândalo da JBS, Doria cobrou sua saída do comando da sigla.
Conta zerada Depois do gesto, Doria e Aécio conversaram na quarta-feira (13).

 

Sabatina A Frente Parlamentar da Agricultura acertou um almoço com Jair Bolsonaro, na próxima terça (19). Na outra semana, dia 26, será a vez de João Doria.
Segue o jogo O ex-presidente Lula fará nova temporada de caravanas. Vai a Minas em outubro e, em seguida, percorrerá a região Norte.

Estamos juntos Michel Temer telefonou para o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, depois de ele ter sido alvo de mandados de busca e apreensão. Queria demonstrar apoio e garantir a permanência dele no governo.

Visita à Folha Marconi Perillo (PSDB), governador de Goiás, visitou a Folha nesta quinta-feira (14), a convite do jornal, onde foi recebido em almoço. Estava acompanhado de Alexandre Possebon, secretário-adjunto de Agricultura de Mato Grosso.

 

Janot denuncia Temer, Joesley e mais 7 ao STF; presidente é acusado de organização criminosa e obstrução de Justiça

 


Janot denuncia Temer por obstrução de justiça e organização criminosa

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (14) uma nova denúnciacontra o presidente Michel Temer, desta vez pelos crimes de obstrução à Justiça e organização criminosa.

O STF somente poderá analisar a denúncia contra Temer se a Câmara autorizar. Em agosto, a Câmara rejeitou a primeira denúncia de Janot contra Temer, por corrupção passiva.

Outras oito pessoas são alvos da mesma denúncia – dois ministros, dois ex-ministros, dois ex-deputados, um empresário e um executivo. De acordo com o procurador, os políticos denunciados (todos do PMDB) arrecadaram mais de R$ 587 milhões em propina.

O empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, e o executivo Ricardo Saud, ambos delatores da Operação Lava Jato, estão entre os denunciados, mas somente pelo crime de obstrução de Justiça.

Além de Temer, Joesley e Saud, também foram denunciados nesta quinta:
• ELISEU PADILHA (PMDB-RS), ministro da Casa Civil
• MOREIRA FRANCO (PMDB-RJ), ministro da Secretaria-Geral
• EDUARDO CUNHA (PMDB-RJ), ex-deputado
• HENRIQUE ALVES (PMDB-RN), ex-deputado e ex-ministro
• GEDDEL VIEIRA LIMA (PMDB-BA), ex-ministro
• RODRIGO ROCHA LOURES (PMDB-PR), ex-deputado e ex-assessor de Temer

Ministro Fachin decide manter Joesley e Saud presos por prazo indeterminado


E-mail reforça suspeita contra irmãos Batista de lucros indevidos

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta quinta-feira (14) manter por prazo indeterminado as prisões do empresário Joesley Batista, um dos sócios do grupo J&F, e Ricardo Saud, executivo do grupo.
Os dois estão presos na Polícia Federal em Brasília e deveriam ser libertados à meia-noite, quando termina o prazo da prisão temporária decretada na semana passada pelo ministro.

Nesta quinta, porém, além de denunciar os executivos, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também pediu que eles permanecessem na cadeia, convertendo a prisão temporária (com duração de cinco dias) em preventiva (prazo indeterminado).
Na decisão, Fachin considerou a possibilidade de os executivos destruírem provas e voltarem a cometer crimes. Joesley e Saud haviam disponibilizado seus passaportes para deixar a prisão, alegando que não pretendiam fugir do país.

O ministro levou em conta outra ordem de prisão, decretada contra Joesley nesta semana, com base na suspeita de que ele e seu irmão Wesley Batista, também preso, lucraram com negociação de açõesantes de assinar a delação premiada.
“A aparente prática reiterada de crimes que pesa contra os representados confere plausibilidade ao risco de prática de novos delitos”, escreveu o ministro.

Joesley e Saud se entregaram no último domingo (10), em São Paulo, e foram transferidos para Brasília no dia seguinte. Nesta quinta, eles foram denunciados por Janot – junto com o presidente Michel Temer – por crime de obstrução de Justiça. O advogado dos dois, Antonio Carlos de Castro Machado, disse que Janot foi "desleal" ao romper o acordo e incluí-los na denúncia.

Eles já estão com o acordo de delação suspenso pelo ministro Edson Fachin. Nesta quinta, Janot anunciou a rescisão do acordo, que ainda precisa ser homologada por Fachin. O ministro deu dez dias para que Joesley e Saud se manifestem sobre a rescisão.

 

Ministros denunciados por Janot não serão afastados, informa Planalto

O Palácio do Planalto informou na noite desta quinta-feira (14) que os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral), denunciados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não serão afastados.
Padilha e Moreira foram denunciados por organização criminosa, assim como o presidente Michel Temer e outros peemedebistas, entre os quais os ex-ministros Geddel Vieira Lima e Henrique Eduardo Alves, o ex-deputado Eduardo Cunha(PMDB-RJ) e o ex-assessor de Temer Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

Em fevereiro deste ano, em meio à crise que atingia o governo eo Congresso com as delações da Odebrecht, Temer convocou a imprensa para um pronunciamento no Palácio do Planalto no qual disse que ministros denunciados seriam afastados e os que se tornassem réus, demitidos.

"Se houver denúncia, o que significa um conjunto de provas eventualmente que possam conduzir a seu acolhimento, o ministro que estiver denunciado será afastado provisoriamente. Depois, se acolhida a denúncia e aí sim a pessoa, no caso o ministro, se transforme em réu - estou mencionando os casos da Lava Jato -, se transformando em réu, o afastamento é definitivo", afirmou Temer à época.

 

Última modificação em Domingo, 17 Setembro 2017 19:28