Projeto Rio Formoso recebe R$ 419 milhões em recursos para revitalização

Postado em Quinta, 11 Janeiro 2018 13:15
Avalie este item
(0 votos)

O governador Marcelo Miranda desenvolveu nos últimos dois anos, um trabalho silencioso, de formiguinha

 

Por Edson Rodrigues

 

O chefe do executivo no Tocantins, em parceria com os deputados federais e equipe do Palácio Araguaia articularam recursos junto à cúpula do cúpula do Governo Federal, presidido por Michel Temer, para angariar fundos em prol da revitalização do Projeto Rio Formoso.

 

Localizado em Formoso do Araguaia, no sudoeste do Estado, o Projeto Rio Formoso é o maior projeto de Irrigação estadual com seus mais de 18 mil hectares de área útil para utilização, e também o maior projeto da América Latina, voltadas para este setor.  

 

Nos últimos meses, técnicos da Secretaria de Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro), realizaram vários ajustes até a finalização e conclusão para a revitalização do Rio Formoso. O trabalho, que durou mais de um ano, foi acompanhado pela Secretaria de Representação do Tocantins em Brasília. Em dezembro de 2017, o secretário de Representação do Governo do Tocantins, Renato Assunção participou de uma reunião com o líder do governo na Câmara dos Deputados, o que foi fundamental para conseguir a liberação de R$419 milhões que serão investidos na revitalização do Rio Formoso.

 

O assunto foi tratado durante reuniões em Brasília, da qual contou com o apoio significativo dos deputados federais, Dulce Miranda (PMDB), Josi Nunes (PMDB) e o deputado federal, Lázaro Botelho (PP).  Além da revitalização do Rio Formoso, o governador Marcelo Miranda destacou ainda que o Estado quer ampliar os projetos de irrigação e melhorar a qualidade de vida dos agricultores.

 

Edital de Licitação

Nos próximos dias, um edital de licitação será lançado para que seja possível o início desta grandiosa obra. No momento, o projeto de irrigação Rio Formoso está com 20% da sua capacidade em funcionamento. Com a revitalização, e totalmente recuperado terá condições de produzir por ano duas safras, e colocar o Tocantins no topo de um dos maiores produtores de grãos do País. Isto será possível após um intenso trabalho em equipe que envolve vários órgãos do governo do Tocantins.

 

Ary Valadão

No começo do ano de 1981, o Projeto Rio Formoso foi destaque nos principais veículos de comunicação do País. Uma análise, naquele período, do desenvolvimento de Goiás trazia o Rio formoso como principal responsável por fomentar a economia do Centro-oeste.

 

Na época o Projeto foi elaborado conforme orientações e diretrizes do planejamento a nível nacional, englobando as políticas de desenvolvimento de cooperativas, fixação do homem ao campo, incentivo ao empresário de pequeno e médio porte e aumento do excedente exportável ou redução de importações de gêneros agrícolas de primeira necessidade, além de mobilizar esforços no sentido de auxiliar o Governo Federal na meta prioritária de combate à inflação.

 

O Projeto Rio Formoso, um projeto do governo Ary Valadão, em Goiás, para o plantio de arroz irrigado, com uma área de 69.130,12 hectares, ficou em perfeita sintonia com o II e o III PND: produzir para a exportação e para a diminuição das importações de produtos agrícolas. Em suma, para combater a inflação.

 

Projeto Rio Formoso

Hoje, 30 anos após o inicio de um sonho, o Rio Formoso, possui uma área total de 27.787 hectares, utilizando um sistema de irrigação de inundação e subirrigação, com produção de arroz irrigado (inundação) no período chuvoso (outubro a abril); soja, milho, feijão e melancia (subirrigação) no período seco (maio a setembro).

 

As infraestruturas de uso comum no projeto rio Formoso (barragens, canais principais de irrigação e drenagem, sistema viário interno), que por questões legais são de domínio público, ficaram durante mais de 30 anos sem a devida manutenção.  Isso acarretou no desgaste destas estruturas, comprometendo o desempenho do projeto.

 

A revitalização do Rio Formoso visa restabelecer as condições originais das infraestruturas de uso comum, de forma que o projeto possa operar na sua plenitude. Após a recuperação, as responsabilidades pela administração, operação e manutenção do perímetro serão dos usuários através do Distrito de Irrigação, permitindo desta forma a sua emancipação.

 

 

 

Última modificação em Quinta, 11 Janeiro 2018 13:21