TOCANTINS PODE TER QUATRO TURNOS ELEITORAIS. RISCO DE “CAIXAS 1, 2, 3, 4, e 5” É QUASE INEVITÁVEL

Postado em Sexta, 13 Abril 2018 14:28
Avalie este item
(0 votos)

Economia tocantinense pode entrar em colapso, junto com valores morais, éticos e princípios ideológicos. Quem será por quem??

 

Por Edson Rodrigues

 

O quadro de inédito de instabilidade política por que passa o Estado caçula do Brasil é muito ruim para a sua população, começando pelos cidadãos mais simples, passando pela iniciativa privada, profissionais liberais e investidores.

 

Para todos os que acreditam em um Estado promissor, a credibilidade da nossa economia está deixando todos preocupados e desanimados, pois pode sangrar de forma irreversível por causa de um Congresso frouxo, conivente e imóvel, que não consegue – ou não quer – legislar em prol do fortalecimento da democracia brasileira – leia-se Senado e Câmara Federal.

A situação é tão grave, que o poder Judiciário, por meio de suas Supremas Cortes, inclusive as eleitorais, resolveram se unir ao Ministério Público e ocupar esse espaço vazio deixado pelos legisladores, toando decisões importantes, mas que, por vezes, forçam o País a um verdadeiro retrocesso político.

 

TOCANTINS

Esse entrave, essa troca de valores em relação aos papéis dos poderes vem trazendo reflexos mais que nocivos à economia do Tocantins e, paralelamente, ao desenvolvimento do nosso Estado.

 

Traduzindo em miúdos, as decisões de foro Legislativo que vêm sendo levadas a cabo pelo poder Judiciário, podem levar o nosso Estado de economia frágil a enfrentar uma eleição com quatro turnos – ou três eleições seguidas em um curto período de tempo – que podem fazer secar investimentos, recursos e os cofres públicos pois, se em uma eleição há sempre a prática de “caixa 2”, imaginem em três eleições!

 

Corremos o risco de ter caixa 2, caixa 3, caixa 4 e, talvez, até, caixa 5, com o número de conchavos, negociações, mutações e “coligações” que serão necessárias até que se chegue ao governador, senadores e deputados federais e estaduais eleitos para a legislatura que se inicia em 2019!

 

Essa movimentação financeira poderá ser nefasta à nossa já combalida economia e levar a iniciativa privada, os investidores e os agentes financiadores a fechar as portas dos cofres, criando um clima de total ausência de circulação de recursos, fazendo nosso estado, novamente sangrar e o nosso povo passar por dias de extrema dificuldade.

Já que temos apenas o Poder Judiciário a olhar por nós, que suas decisões sejam iluminadas por Deus, para que tenham as menores consequências na vida do povo tocantinense, que nada tem a ver com a inércia e a omissão dos parlamentares, membros do dito Poder Legislativo.

 

CAOS

Já foram detectados vários municípios atendidos pela Agência Tocantinense de Saneamento – São Valério, Tocantínia, Araguacema, Divinópolis e Aurora – que estão com o fornecimento de água potável suspenso por falta de cloro manutenção de equipamentos e reposição de peças, colocando a população dessas cidades em uma situação calamitosa, caótica, humilhante e sacrificante.

 

Nenhum paciente da rede pública estadual de Saúde, que esteja em estado grave, pode ser transferido pela UTI aérea, pois foi suspenso o fornecimento de cilindros de oxigênio.

 

O caos chegou ao ponto de que foi necessária força policial, em Araguaína, para arrombar as portas de uma empresa que fornece uniformes cirúrgicos, para que uma cirurgia de emergência pudesse ser realizada.

 

Assim como os fatos narrados aqui, há várias outras situações em que vidas humanas estão em jogo, como na segurança pública, no setor carcerário, na merenda escolar e no fornecimento de alimentação de pacientes.

 

Voltamos a lembrar que tudo isso ocorre porque os políticos que deveriam estar atentos a esses fatos, estão em reuniões obscuras, negociando apoios e cuidando dos seus projetos de poder.

 

Segundo fontes em Brasília, há “líderes” políticos, detentores de mandatos no Congresso Nacional e no Legislativo tocantinense negociando a terceirização da Saúde Pública Estadual com OSCIPs, uma da Região Norte do País, outra do Estado de São Paulo.

 

Estamos em uma encruzilhada, sem saber o que fazer.

 

Que Deus seja misericordioso com a família tocantinense!