DEBATES NA TV. A OPORTUNIDADE PERFEITA PARA SE MOSTRAR QUEM REALMENTE É O “VAGABUNDO”

Postado em Terça, 15 Maio 2018 06:46
Avalie este item
(0 votos)

Candidatos a governador nas duas eleições que se aproximam são todos políticos tocantinenses.  Amastha disse que eles são vagabundos.  Quem vestirá a carapuça e debaterá com o colombiano?

 

Por Edson Rodrigues

 

Quatro de agosto de 2017.  Em uma das suas incontáveis viagens, o prefeito de Palmas, o colombiano Carlos Amastha proferiu as seguintes palavras:“por isso o Tocantins não sai do buraco. Bando de políticos, na maioria vagabundos, que apenas pensa nisso. E o povo ainda vota neles. Ate quando? Os caras sendo indiciados, denunciados, por crimes que todos sabemos que na maioria dos casos são verdadeiros, tem a coragem de pedir voto. Pronto... Falei...Culpa da Internet no avião. Desculpem os desabafos. Sinceramente não consigo entender porque trilhamos esse caminho."

 

Essa declaração do prefeito colombiano paira, desde então, sobre as cabeças dos políticos tocantinenses, como uma nuvem negra a lhes lembrar que um forasteiro, que chegou sem ser convidado, já entrou na nossa casa “botando o pé na porta”, sentando no melhor lugar à mesa, assumindo o controle remoto da TV e, convencendo os moradores de que o chefe da família era omisso, desonesto  e indigno, e que ele, o forasteiro, era o bastião da honradez e da ética.

 

REAÇÃO

Diz um ditado turco que “quem fala mal de alguém para você, certamente fala mal de você para alguém”. Infelizmente, a maioria dos políticos tocantinenses preferiu fingir que não era com eles e poucos foram os que responderam á altura as declarações do colombiano.

 

Alguns deixaram de apoiar o “prefeito falastrão”, mas, por incrível que pareça, outros preferiram “vestir a carapuça” e cerrar fileiras com o boquirroto em sua aspiração de concorrer ao governo do Estado este ano.

 

Mas, eis que a Justiça surpreende a todos e resolve cassar o mandato de Marcelo Miranda e o Tocantins terá duas eleições ao invés de apenas uma.

 

A HORA DA CARAPUÇA

Duas eleições, duas campanhas. Como a imprensa não pode se furtar de desempenhar o seu papel de levar o máximo de informações sobre os candidatos durante um período eleitoral, duas emissoras resolveram promover debates entre os candidatos.  Candidatos, esses, que são políticos tocantinenses.  Alguns tradicionais e outros novatos, mas, todos políticos.

 

Amastha, o colombiano, não chamou todos os políticos tocantinenses de vagabundos? Então, caros leitores, seguindo a lógica, todo aquele político tocantinense que aceitar participar de um debate com o candidato falastrão estará, indelevelmente vestindo a carapuça de vagabundo, assumindo para si o estigma e dando razão para o forasteiro.

 

A iniciativa das emissoras de TV é salutar e de extrema valia para o processo sucessório, só que, achamos, haverá um único problema: reunir no mesmo estúdio uma pessoa que agiu com leviandade e os demais, que, acreditamos, vão defender a honra e a história do povo tocantinense e declinarão do convite.

 

Repetimos: ao participar de um debate político com quem o chamou de vagabundo, os demais candidatos estarão aceitando o rótulo ante a audiência de milhares de pessoas.

 

E isso vale tanto para a primeira campanha, para as eleições suplementares, quanto para a campanha para as eleições gerais.

 

CAI A MÁSCARA

Hoje, o mesmo empresário “honesto”, “ético” e “empreendedor” que se elegeu prefeito de Palmas com esse discurso, responde a mais de 100 processos na Justiça e está indiciado pela Polícia Federal na Operação Nosotros.

 

Carlos Amastha na sede da Plícia Federal em Palmas

A máscara de ser o “novo”, já não cobre mais o rosto de um colombiano que se tornou político no Brasil e age com uma falta de educação e de modos, como se estivesse no banheiro da sua casa na Colômbia, não respeita nossa cultura, nossas tradições, nossos políticos, muito menos, nossos cidadãos – pois o quê pensar de quem vota em “vagabundos”?. 

 

Amastha já provou que conseguiu ser pior que os “vagabundos”, pois fez  a mesma coisa que condenou nos demais e ainda ludibriou, enganou o povo, na “cara dura”.

 

Quando se candidatou pela primeira vez à prefeitura de Palmas, o Colombiano Amastha já ligou o alerta dos maiores analistas políticos do Brasil. Em sua coluna na revista Veja, o jornalista Reinaldo Azevedo chamou a atenção para alguns fatos, classificando a candidatura do colombiano como a mais “exótica” candidatura entre os mais de cinco mil candidatos do País.

 

Disse Azevedo: “em matéria de exotismo — e se deve, sim, cobrar da política um compromisso com a ética e dos políticos, um passado transparente —, a eleição em Palmas, capital do Tocantins, põe o resto do Brasil no chinelo. O colombiano Carlos Amastha (PP), dono do shopping Capim Dourado, disputa a liderança das pesquisas eleitorais com Marcelo Lelis, do PV. Mas quem é, afinal de contas, este senhor?”

 

A partir deste trecho, que pode ser lido na íntegra no endereço https://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/o-filho-de-ideli-salvatti-a-prefeitura-de-palmas-um-colombiano-e-seus-metodos/, Azevedo fala sobre a Operação Moeda Verde, que associa Amastha a uma quadrilha que traficava licenças ambientais para permitir construções irregulares, como a do Floripa Shopping, de propriedade de Amastha e por suposta prática de falsidade ideológica e participação em advocacia administrativa.

 

A HORA DO TROCO

Pois bem.  Nossa intenção neste editorial foi lembrar aos demais concorrentes dessas eleições suplementares, principalmente Vicentinho Alves, Kátia Abreu e Mauro Carlesse, pela importância e posição que ocupam na política tocantinense, que é chegada a hora de dar o troco à total e completa falta de respeito, de educação e de pudor de Carlos Amastha no trato com a cultura, a tradição e a honra do povo deste Estado que ele não moveu uma palha para ajudar a criar.

 

Vocês, caros candidatos, têm que dar uma aula de educação e respeito a esse cidadão, e deixar que ele fale sozinho, para o vento, não participando de nenhum debate cuja participação do candidato boquirroto esteja confirmada.

 

Que me desculpem as emissoras de TV que idealizaram os debates, mas essa é a nossa opinião.

 

Se “errar é humano e errar duas vezes é burrice”, o seria errar pela terceira vez?

 

Lá, nos idos de 2012, Reinaldo Azevedo terminou sua coluna sobre a candidatura de Amastha da seguinte forma: “...essas são algumas das histórias de Amastha, que não parece ser, exatamente, um ortodoxo. Setores burrinhos da imprensa, ora vejam!, tratam o homem apenas como “a novidade” contras as “elites tradicionais! O que parece é que os métodos empregados em Santa Catarina, que encantaram a família Salvatti, foram levados para Tocantins.

 

Tremei, Tocantins!”

Última modificação em Quarta, 16 Maio 2018 07:55