Justiça emite mandado de prisão a vereadores da Capital; Dois são considerados foragidos

Postado em Sexta, 03 Agosto 2018 15:53
Avalie este item
(0 votos)

A Polícia Civil cumpriu nesta sexta-feira, 3, inúmeros mandados de prisão temporária e busca e apreensão. A ação faz parte da 2ª fase da Operação Jogo Limpo que investiga mais de R$ 7 milhões em desvio de dinheiro da prefeitura de Palmas.  

Da Redação

 

Três vereadores de Palmas são alvo da investigação, dentre eles o presidente da Câmara Municipal, José do Lago Folha (PSD), Major Negreiros (PSB) e Rogério Freitas (MDB). A polícia investiga o desvio de verbas da Fundação Municipal de Esporte e Lazer (Fundesportes) e da Secretaria de Governo e Relações Institucionais. O dinheiro teria sido usado para financiar campanhas eleitorais de 2014, e no entanto empresas fantasmas emitiram notas frias para justificar os gastos de serviços que nunca foram prestados.

As investigações apontam que o dinheiro teria sido usado para financiar campanhas eleitorais em 2014. A verba seria destinada para projetos sociais e de incentivo ao esporte.

 

Entenda

 

Na manhã de hoje estivemos com um membro da Câmara Municipal de Palmas e conversamos com uma autoridade civil, e diante das informações o caso ao que tudo indica parece ser muito mais obscuro do que chegou ao conhecimento público, até porque o promotor responsável pelo processo, segundo detalhou nossa fonte, é um profissional criterioso e independente.

 

Outro fato mencionado foi à divisão do processo que pode revelar ainda o envolvimento de três membros do Legislativo Estadual, que supostamente receberam propinas, e ainda ex-membros do primeiro escalão da gestão municipal . Caso as informações se comprovem a Operação Jogo Limpo vai interferir diretamente no processo eleitoral de outubro, em que muitos estarão com suas reeleições contaminadas e outros não serão mais incluídos na Lei da Ficha Limpa.

 

Em entrevista coletiva sobre a operação, nenhum dos delegados confirmou a possibilidade de fatiamento do processo, não citou o envolvimento de qualquer membro do Poder Legislativo e tampouco disse que as investigações continuam, porém onde há fumaça, há fogo.