“EFEITO BOLSONARO” AGITA POSITIVAMENTE MERCADO FINANCEIRO E REFAZ CONFIANÇA DE INVESTIDORES E FAZ DÓLAR DESPENCAR

Postado em Terça, 09 Outubro 2018 16:12
Avalie este item
(0 votos)

Grupo formado por estatais e bancos recupera valor de mercado com maiores chances de vitória de Bolsonaro nas eleições

 

Da Redação

 

A configuração de uma disputa de segundo turno entre o deputado Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-prefeito paulistano Fernando Haddad (PT) nas eleições presidenciais e as indicações de vantagem relevante a favor do militar reformado provocaram movimento de euforia no mercado financeiro ontem, primeiro pregão pós-primeiro turno.

 

O apoio de 46% do eleitorado deu a Bolsonaro amplo favoritismo na disputa. Além disso, a consolidação de uma bancada com 52 deputados deram melhores indicativos que as expectativas sobre uma futura governabilidade.

 

O Ibovespa fechou o dia em alta de 4,57%, a 86.083 pontos, após chegar a disparar 6% no intraday. Mesmo assim, foi a maior alta do principal benchmark do mercado acionário brasileiro desde 17 de março de 2016, quando saltou 6,6% após a divulgação de áudios de conversas telefônicas mantidas entre a então presidente Dilma Rousseff e Lula pelo juiz federal Sergio Moro.

 

Já o dólar comercial recuou 2,31%, para R$ 3,766, no maior tombo desde 8 de junho, quando despencou 5,59%. O mesmo movimento foi observado nas taxas de juros futuros, com o mercado cortando drasticamente os prêmios de risco com a possibilidade de Bolsonaro vencer a corrida presidencial.

 

O movimento de euforia com uma possível vitória de Bolsonaro – estimada pela consultoria de risco político Eurasia, uma das mais respeitadas no mercado, em 75% – contaminou os preços dos principais ativos da B3.

 

As ações de empresas estatais, como Petrobras (PETR4), Eletrobras (ELET6) e Banco do Brasil (BBAS3) apresentaram alta entre 9% e 18% apenas no pregão da última segunda-feira (8). As três companhias recuperaram R$ 48,166 bilhões em valor de mercado.

 

Valorização expressiva também se observou entre os bancos privados. Juntos, Itaú Unibanco (ITUB3) e Bradesco (BBDC4) ganharam R$ 28,674 bilhões em valor de mercado. As cinco empresas ganharam R$ 76,840 bilhões em valor em um único dia.

 

Não foi apenas no plano federal que as eleições mexeram com os preços dos ativos no mercado financeiro. Empresas de saneamento e energia também reagiram ao resultado das urnas do último domingo.

 

É o caso de Minas Gerais, onde o empresário Romeu Zema (Novo) surpreendeu todas as expectativas e não apenas avançou para o segundo turno mesmo com pouco tempo de televisão e baixa estrutura partidária, com agora é favorito para derrotar o senador Antonio Anastasia (PSDB). O candidato do Novo recebeu 4.138.967 votos, o equivalente a 42,73% dos votos válidos, contra 2.814.704 votos de seu adversário (29,06%).

 

Neste caso, o que anima o mercado é a possibilidade de uma agenda em busca de maior eficiência na gestão das companhias estatais ou até a privatização delas em um futuro não muito distante.

 

As duas estatais mineiras com ações negociadas na B3 apresentaram bom desempenho no pregão da véspera. A Cemig (CMIG4) registrou um aumento de R$ 2,241 bilhões em seu valor de mercado na sessão, passando para a cifra de R$ 14,543 bilhões.

 

Já a Copasa (CSMG3) recuperou R$ 874 milhões no pregão, passando a valer R$ 6,496 bilhões. A despeito dos desafios para a onda privatizante no estado, o mercado está apostando mais em mudanças.