Projeto Quelônios finaliza atividades de 2018 garantindo a sobrevivência de mais de 70 mil filhotes

Postado em Quarta, 19 Dezembro 2018 10:54
Avalie este item
(0 votos)
Marcação dos ninhos sendo realizada em praia da região do Cantão Marcação dos ninhos sendo realizada em praia da região do Cantão

Por Daianne Fernandes

 

Após 14 semanas de monitoramento, o Projeto Quelônios, desenvolvido por meio de parceria entre o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e o Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA), encerra suas atividades em 2018, garantindo a sobrevivência de mais de 70 mil filhotes de tartarugas, entre elas, quatro albinas, que são consideradas raras na natureza.

 

O albinismo é uma condição caracterizada pela ausência de melanina e segundo a inspetora de Recursos Naturais do Naturatins, Aline Vilarinho, nasce uma tartaruga albina a cada dois milhões de filhotes.

 

No entanto, nas praias monitoradas na região do Cantão, os técnicos do Projeto encontraram 22 tartarugas albinas, número que chamou a atenção e quatro delas foram trazidas para o Centro de Fauna do Tocantins (Cefau), em Palmas, para fins de pesquisa.

 

Aline explica que no Cefau elas foram pesadas e medidas e seu desenvolvimento será acompanhado. “No ambiente natural, a tartaruga albina, pela falta de pigmentação no corpo, teria menos chances de sobrevivência em função de chamarem atenção dos predadores”, declarou.

 

Translocação

Outra peculiaridade do Projeto Quelônios este ano, foi a realização de 20 translocações de ninhos. Isso porque, devido ao aumento de chuvas na região, o rio encheu mais rápido e muitos ninhos estavam sendo alagados.

 

Para garantir a sobrevivência dos filhotes, a equipe do Projeto, transferiu diversos ninhos para partes mais altas das praias. Neste processo, 900 ovos foram translocados, gerando 595 filhotes vivos.

 

Projeto

Apesar de ter sido criado em 1995, o Projeto Quelônios foi retomado no Tocantins, no ano passado, com ações do Naturatins e Ibama, no entorno de unidades de conservação. O Projeto integra o Programa Quelônios da Amazônia, coordenado pelo Ibama.

 

Este ano, 289 ninhos foram monitorados sistematicamente. A equipe também realizou a captura de animais adultos para realização de biometria. “O objetivo foi coletar dados que nos permitam estimar a idade de maturação das tartarugas, bem como estimar o tamanho da população através da recaptura”, pontuou Aline.

 

Além do monitoramento, fiscais do Naturatins, Ibama e BPMA realizaram operações frequentes na região, combatendo o consumo predatório dos ovos e tartarugas.

 

Este ano, o Projeto Quelônios do Tocantins teve início no mês de maio com a apresentação do projeto de pesquisa e monitoramento na Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas (Naturatins). Desde então, foram realizadas articulações com órgãos púbicos e universidades para compor a equipe de realização do Projeto, além de captação de parceiros da iniciativa pública e privada como apoiadores do mesmo. A fase de monitoramento das tartarugas no seu período reprodutivo teve início na última semana de agosto.

 

São apoiadores do Projeto a Secretaria Geral de Governo, a Fazenda Fartura, a Universidade do Tocantins (Unitins) e a Universidade Federal do Tocantins (UFT), o Programa de Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), entre outros.