Ações impopulares e diálogo: a pauta do momento

Postado em Segunda, 07 Janeiro 2019 11:16
Avalie este item
(0 votos)

As medidas impopulares, tomadas pelos governos dos estados e também pelo presidente da república Jair Bolsonaro, continuam sendo destaques nos principais veículos de comunicação de todo o País

 

 

Por: Edson Rodrigues

 

O que se vê em todos os estados brasileiros são os famosos ‘reajustes’ com exonerações de servidores, extinção de secretarias e cargos, suspensão de serviços e obras e outras medidas amargas, que estão sendo tomadas em nome do equilíbrio das contas públicas e numa tentativa de enquadramento das dívidas na Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

Presidente Jair Bolsonaro em reunião com ministros

O sucesso dos governos do presidente Jair Bolsonaro e do governador Mauro Carlesse depende exclusivamente, em primeira mão, do poder legislativo. provável motivo que levou o presidente a não interferir na disputa pelo comando das duas casas de lei: Câmara dos Deputados e Senado Federal. Para a câmara federal, o atual presidente Rodrigo Maia está praticamente consolidado para continuar à frente da casa, já o senado dificilmente sairá das mãos do senador alagoano Renan Calheiros, do MDB.

 

Tocantins

No Tocantins, o governador Mauro Carlesse e aliados trabalham nos bastidores para a formação de uma chapa consensual, que possa atender todas as correntes. Os membros do poder legislativo tocantinense, em sua maioria, adotaram um mesmo comportamento e, nesse período que antecede o pleito, se vê muitas conversações e articulações, mas nenhuma declaração contra ou a favor. Porém, há um sinal de que haverá a formação de  chapa consensual entre os pares, sendo um bom sinal para um início de governo.

 

O Tocantins precisa de investimentos em todas as áreas, mas especialmente  em infraestrutura para que possa voltar a crescer e recuperar sua economia. Para tanto é necessário que recupere a malha viária e as rodovias pavimentadas, além de obras como a construção da ponte sobre o rio Tocantins, em porto nacional, os hospitais de Gurupi e Araguaína, que vêm se arrastando de outros governos. O Tocantins também precisa de segurança pública, moradia, emprego e segurança econômica, financeira e política.

 

Só uma estrada e de mão única

Esqueçamos quem foram os responsáveis por ter desenquadrado o Estado. O momento é de olharmos para o futuro, olharmos para frente, pois o Tocantins tem pressa e o momento, único, de buscarmos um futuro promissor é agora.

É necessário que o Tocantins se enquadre na Lei de Responsabilidade Fiscal para conseguir a liberação do empréstimo pleiteado pelo ex-governador Marcelo Miranda, já aprovado e autorizado pela Assembleia Legislativa. Estes recursos já estão com suas finalidades definidas, mas precisa sair do papel e começar a gerar postos de trabalhos em todos os 139 municípios.

 

Os bastidores da política - tudo por acontecer

Com certa sabedoria o governador Mauro Carlesse vem mantendo um bom diálogo com seus aliados e companheiros, especialmente no que se refere a participação nas possíveis mudanças na estrutura governamental, que só podem ocorrer após a eleição da mesa diretora da assembleia legislativa e o envio da medida provisória que vai extinguir órgãos e secretarias, cargos e funções.   Para evitar qualquer ‘inflamação’ na base política, tanto na Assembleia Legislativa, quanto no Congresso e nas agremiações partidárias, o governador e sua equipe do alto clero têm evitando dar declarações ou fazer comentários. O objetivo é fazer os ajustes necessários para dar a largada em busca do desenvolvimento do Estado.

 

Municípios

O governo do presidente Jair Bolsonaro, via equipe econômica, já sinalizou que irá fortalecer os laços de parcerias com os estados e os municípios na transferência de recursos, porém só serão contemplados aqueles que estiverem adimplentes. Trocando em miúdos, os que estiverem enquadrados na Lei de Responsabilidade Fiscal.

Esta é uma oportunidade para muitos dos nossos prefeitos tocantinenses, principalmente para aqueles que desejam se candidatarem a reeleição, organizarem e buscar o equilíbrio das contas públicas.

 

Sendo assim, o prefeito que tomar as medidas certas para enquadrar seu município de acordo com a Lei, poderá conseguir bons momentos administrativos, do contrário poderão ficar com o nome sujo, bens bloqueados e impedidos de exercer funções públicas.

 

A hora é agora, ou nunca mais.

 

Fica a dica!

Última modificação em Sábado, 12 Janeiro 2019 03:47