Tocantins: segurança pública é questão emergencial

Postado em Quinta, 10 Janeiro 2019 06:33
Avalie este item
(0 votos)
Representantes de Estados que fazem divisa com o Tocantins tem fechado o cerco aos "fora da Lei." 
 
 
Por: Edson Rodrigues
 
 
 
Em Goiás, o governador Ronaldo Caiado, foi categórico: “o bandido muda de profissão ou muda de Goiás!”. Na ocasião o gestor apresentou à comunidade estratégias para reduzir a criminalidade, uma das propostas ainda na época de campanha foi à criação do Núcleo de Combate ao Crime Organizado.
 
 
Na mesma linha, a Polícia Militar do Pará anunciou nesta quarta-feira, 9, que inicia a partir do dia 12 de janeiro a operação PM Presente. O objetivo é reestruturar a PM e aumentar o número de efetivos nos municípios e estar em todas as regiões.
 
 
Medidas semelhantes estão sendo tomadas por representantes do Piauí, Bahia, Maranhão. 
 
 
O governo do Tocantins precisa tomar medidas emergenciais na área da segurança pública. Os Estados tem buscado combater a criminalidade, em que no Pará a gestão pode contar com o apoio da Força Nacional de Segurança.
 
 
Tocantins
 
O fato de no Tocantins ainda não ter sido aprovada a Lei Orçamentária Anual (LOA), prevista para acontecer no início de fevereiro pela Assembleia Legislativa não impede o senhor governador, Mauro Carlesse, de baixar uma medida provisória colocando a Segurança Pública do Tocantins em estado de emergência para então disponibilizar recursos ao setor, bem como buscar parcerias às financeiras, instituições públicas e privadas para melhorar a estrutura dos órgãos de inteligência e segurança.
 
 
Hoje o Tocantins encontra-se em situação delicada quando o assunto é segurança. O aumento da criminalidade nos estados vizinhos reflete diretamente aqui, uma vez que este serve de rotas de fuga e também de pontos de esconderijos aos que estão foragidos da Justiça.
 
 
Precisamos garantir segurança nas rodovias, nos municípios que fazem divisas com os estados. Atualmente todos os postos fiscais encontram-se desativados.
 
 
A iniciativa, de um Comitê de Segurança Pública, é muito importante para o Estado, e que envolva vários órgãos como as Polícias Federal, Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, Segurança Pública e Cidadania e Justiça, com estratégias de inteligência muito tem a somar ao nosso Estado.
 
 
O governador Mauro Carlesse não pode aguardar ser aprovado o orçamento do Estado para só então  tomar as providências a respeito da criminalidade no Tocantins, isso precisa ser feito o mais rápido possível sobre risco de o território tocantinense ser tomado por crimes de assaltos, roubos, homicídios, dentre outros. 
 
 
A sociedade espera por uma medida definitiva em relação a insegurança, e os policiais precisam de infraestrutura para desenvolver suas atividades.
 
 
Dados
 
O Sistema Nacional de Estatísticas de Segurança Pública divulgou que no primeiro semestre de 2018 os índices aumentaram se comparado ao mesmo período 2017, em que o aumento foi de 158% com base nos últimos anos.
 
 
O Tocantins teve um crescimento de 152% no número de homicídios entre 2006 e 2016. Os dados foram divulgados no Atlas da Violência. 
 
 
Segundo o levantamento, foram 229 assassinatos no Tocantins em 2006. Dez anos depois, o número saltou para 577.
 
 
Já em 2017, a violência teve um crescimento significativo se tornando o 3º do país. O índice no Estado teve um aumento de 158%, ficando atrás apenas do Rio Grande do Norte (292%) e Sergipe (177%). E a maioria das vítimas são homens, negros e jovens. 
 
 
De acordo com o levantamento, os negros são maioria entre as vítimas.
Última modificação em Quarta, 16 Janeiro 2019 06:54