MPE e Polícia investigam deputados por atos não republicanos

Posted On Quinta, 17 Janeiro 2019 20:43
Avalie este item
(0 votos)

Não é preciso ser especialista para afirmar que diante de tantos escândalos no qual citaram deputados no Tocantins, a Casa de Leis neste momento de “renovação” passa por um processo de desgaste de imagem causado por comportamentos não republicanos que resultaram neste sangramento

 

Por Edson Rodrigues

 

Em todos os inícios de ano fazemos planos, traçamos metas, renovamos votos e temos a certeza de que tudo será diferente. Essa fé em dias melhores é o que nos move, a esperança já é marca registrada do brasileiro, que “não desiste nunca”. Pouco mais da metade de janeiro, poderia até dizer que tudo continua igual no Tocantins, mas não, tudo indica que dias melhores virão para alguns, para outros nem tanto. Iniciamos uma nova legislatura, em que a Assembleia Legislativa do Tocantins renovou menos de 50% da sua bancada. Dos 24 deputados estaduais, 16 foram reeleitos para o mandato de 2019-2022.

 

Assembleia Legislativa

Não é preciso ser especialista para afirmar que diante de tantos escândalos no qual citaram deputados no Tocantins, a Casa de Leis neste momento de “renovação” passa por um processo de desgaste de imagem causado por comportamentos não republicanos que resultaram neste sangramento.

 

 

Seria necessário diversas medidas para reestabelecer a credibilidade com o povo. Vemos uma Assembleia omissa, calada, em que os interesses pessoais superaram o coletivo. Uma disputa de ego e poder onde a parceria em prol da população não existe. O escândalo do lixo, como ficou conhecido, é a ponta de um iceberg. Hoje, a omissão é geral.

 

A população se cala, os legisladores tentam uns exporem os escândalos alheios enquanto escondem os seus, e a imprensa segue a mesma linha: precisa sobreviver, “não convém” levantar o tapete e mostrar a sujeira que há. Cada um defende seus interesses, e imitamos Sandra Bullock no filme Bird Box. Todos vendados, somos pássaros engaiolados em que são várias as interpretações, mas com um denominador comum: se tirarmos a venda corremos o risco de “enxergarmos demais”.

 

Parte dos membros do Poder Legislativo Estadual não estão correspondendo à missão a eles confiada pelo eleitorado tocantinense. Por enquanto, ninguém é réu nas investigações, que estão em estágio avançado, um trabalho sério e competente da Polícia Civil do Tocantins em parceria com o Ministério Público Estadual. Estes profissionais merecem o nosso reconhecimento no trabalho que vem desenvolvendo junto a seus órgãos no combate à corrupção.

 

Investigação

O combate à corrupção tem sido um trabalho assíduo da justiça brasileira. Os noticiários trazem diariamente operações da Polícia no qual desmontam esquemas. O resultado das operações podem revelar grandes surpresas ao povo, com a prisão de agentes públicos de várias esferas, cassação, e muito mais.

 

No Tocantins em parceria com o Ministério Público Estadual (MPE), a Polícia Civil, por meio de seus agentes e delegados tem buscado alternativas para desarticular esquemas ilícitos de fraude, organizações criminosas que dilapidam o patrimônio público.

 

É de conhecimento público que denúncias levaram a Polícia Civil a investigar a Assembleia Legislativa do Tocantins, por suposta participação de servidores e deputados em esquemas de fraudes em emendas parlamentares como cavalgadas, temporadas de praias fazem parte do acervo.

 

Depois das denúncias, há uma farta documentação de delações de funcionários de gabinetes de deputados na Polícia Civil e Ministério Público Estadual. Por questões de ética, evitaremos o desenrolar dos fatos para só então entrarmos no mérito de culpa ou não, neste momento podemos garantir que se comprovado os envolvimentos de agentes públicos em esquemas não republicanos poucos sobreviverão com mandatos eletivos e muitos terão seus bens bloqueados e direitos políticos suspensos.

 

A nossa fonte garante que não está descartada a possibilidade de prisão.Qualquer tentativa de frear as investigações neste momento é um tiro no pé, uma vez que todo o trabalho é respaldado pela Justiça Estadual e Federal o que pode acarretar no disparo de várias bombas, que causaria um holocausto.

 

Ranking

Um levantamento publicado pelo Estadão divulgou que o Tocantins se destaca em ranking nacional, uma vez que mais de 50% das prisões realizadas pela Polícia Federal são referentes à corrupção.

 

Novas perspectivas

Apesar do desgaste na imprensa nacional, em que o Tocantins vem ganhando uma sucessão de destaques desde o segundo semestre de 2018, um novo ano começa a ser redesenhado com um “novo Tocantins e um novo Brasil” com tolerância zero contra a corrupção, a malversação do dinheiro público em todas as esferas.

 

Mesmo com o suposto desgaste que estas investigações trazem a imagem do Estado, este é um marco na história do Tocantins em a classe política na Assembleia e Câmara estão sendo passadas a limpo.

 

A todos o rigor da Lei! Aguardemos.

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-501.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias