Faca de dois gumes: Bolsonaro prova o amargo das redes sociais

Postado em Segunda, 21 Janeiro 2019 07:30
Avalie este item
(0 votos)
O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PSL), inovou nas eleições de 2018. O candidato quebrou todas as regras do marketing político, mostrou e experimentou a força das redes sociais. Estrategista, Jair Bolsonaro foi eficiente por ter consolidado sua campanha e aproximado da população por meio de ferramentas virtuais
 
 
Por Edson Rodrigues 
 
 
O presidenciável, vítima de um atentado, consolidou seu argumento de evitar possíveis ataques públicos e ao mesmo tempo durante a campanha eleitoral evitou embates, debates, entrevistas, e apresentou a sua plataforma pelo Facebook, em que com lives diárias interagiu com os brasileiros e conquistou a vitória nas urnas.
 
A estratégia de Bolsonaro nas redes sociais trouxe a público vários pontos fortes, mas como efeito dominó, as mesmas redes sociais evidenciaram as deficiências de vinte dias de gestão e tem reduzido a popularidade do presidente com os brasileiros.
 
 
Precipitação
Isso se dá por vários fatores. O presidente foi precipitado ao acreditar e afirmar que “o poder popular não precisa mais de intermediação, as novas tecnologias permitiram uma relação direta entre o eleitor e seus representantes", disse durante o ato de diplomação. 
 
De fato as redes sociais reduziram distâncias, trouxeram amigos do colégio, conhecidos, mas esta não substitui a importância de veículos oficiais de comunicação, assim como não consegue mensurar o grau de interpretação sobre determinado fato.
 
 
A exemplo disto, foram os números das pesquisas de intenção de votos que começaram a mudar, durante a campanha eleitoral após a divulgação que viralizou nas redes sociais, em que Eduardo Bolsonaro, filho do candidato afirmava: “para fechar o STF basta um soldado e um cabo”.
 
A repercussão não foi apenas nas redes sociais, mas na imprensa nacional e internacional. Na época o candidato e o filho vieram a público explicar o comentário inconveniente.
 
O presidente, no entanto cometeu um gravíssimo erro em não pensar na importância dos intermediários através das redes sociais. Durante a campanha Jair Bolsonaro fez várias lives usando o recurso das redes sociais, mas hoje a sua posição evidencia a necessidade de canais oficiais de comunicação para falar com os brasileiros, estes canais devem ir além da internet, em que rádios, impressos e Tv abrangem toda a população.
 
 
Comunicação oficial
Com o boom da internet, as redes sociais servem de complemento aos veículos, mas não substituem ferramentas e profissionais, pois esta não apenas noticia, mas possui profissionais que checam, analisam e cobram. 
 
E assim como as redes sociais podem contribuir para eleger um presidente, estas também podem ser responsáveis por viralizar fatos, e fake news. Bolsonaro, erroneamente acreditou que usaria das redes sociais apenas para divulgar acontecimentos positivos do governo, e que estas atuariam como uma “assessoria de governo”. 
 
 
Afronta à imprensa
O presidente afrontou e colocou em xeque a importância da imprensa para a sociedade, que tem o objetivo de noticiar acontecimentos e cobrar postura dos representantes sociais. Diante disso, Jair Bolsonaro tem sofrido massacres com a divulgação de declarações e atos de pessoas ligadas ao seu governo.
 
A Revista Fórum trouxe neste final de semana a seguinte reflexão sobre os escândalos e a derrocada de Bolsonaro.Nos últimos dias o assunto é o caso Queiroz! 
 
É muito cedo para Bolsonaro estar perdendo força neste ringue, em especial nas redes sociais, que foram propulsoras de sua vitória. Isso não significa que a partir de agora ele só vai descer ladeira abaixo ou que não possa reposicionar seu grupo. Mas o cristal trincou.
 
Ao solicitar ao STF foro privilegiado num dia e ser acusado em pleno Jornal Nacional de ter recebido 96 depósitos em um mês, Flávio Bolsonaro se torna altamente tóxico para o grupo. E para todo o discurso que levou o capitão presidente à vitória.
 
Essa perda do discurso central por parte da militância do presidente capitão tende a deixar as coisas cada vez mais difíceis. Desde anteontem já havia sinais de crise nas redes governistas. Ontem, esses sinais ficaram muito mais fortes. Se a sangria não for estancada rapidamente, Bolsonaro pode viver um início de governo parecido com o de Dilma em 2015, o que o colocará numa posição muito difícil pelo tanto de expectativa que criou.
 
Como se sabe as ondas vem e vão e hoje a família deve estar bem preocupada com os resultados de monitoramento de redes que devem ter recebido. O mito pode estar começando a virar de fato palmito.
 
 
Tocantins
No Estado a realidade não é muito distante, prisões de prefeitos, cassação de mandatos de governador, prisões de secretários, empresários e servidores públicos, busca e apreensões, visitas de membros da Polícia Federal, escândalos com deputados, prefeitos e vereadores e uma série de investigações fazem parte do acervo a ser desvendado este ano. 
 
Com o fim do recesso do Poder Judiciário, muito destes fatos serão noticiados pela  imprensa e viralizado nas redes sociais. Por enquanto nenhum Poder no Tocantins, quis seguir este caminho de afronta à imprensa, assim como tentou o presidente da República.
 
 
Na terra de Teotônio Segurado, onde mais de 90% dos políticos passaram ou estão no poder, infelizmente cometeram atos não republicanos e hoje prestam contas à justiça com seus milhares de processos em tramitação, mas são conscientes de que qualquer ato de retaliação à liberdade de imprensa seria um tiro na culatra. 
 
Um caminho inverso ao do Presidente tomou o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, que há dias vem enfatizando a importância do apoio da imprensa para noticiar os fatos, bem como no seu relacionamento com os poderes.  A grande mídia por enquanto tem concentrado-se  em revelar a conta gotas notícias relacionadas a família do presidente Jair Bolsonaro, que estão sendo reproduzidas pelos veículos estaduais, mas estes devem alastrar-se para membros do governo se por ventura tiver algo a ser noticiado.