Assim como se projetou, Kátia Abreu se esborrachou, diz Xico Graziano

Postado em Quarta, 06 Fevereiro 2019 08:49
Avalie este item
(0 votos)
A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) pega a pasta de Davi Alcolumbre (DEM-AP) em sessão do Senado A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) pega a pasta de Davi Alcolumbre (DEM-AP) em sessão do Senado Foto: Sérgio Lima/Poder360

Ex-ministra envergonhou a nação. Já foi uma anti-petista ‘estridente’

 

POR XICO GRAZIANO

 

De todas as bizarrices dessa votação no Senado, nada se igualou à malandragem de Kátia Abreu. Ex-ministra da Agricultura, sua atitude envergonhou a nação. E chocou, em particular, os agricultores.

 

A senadora por Tocantins, num acesso de fúria, simplesmente “roubou” uma pasta com documentos da Mesa do Senado, protagonizando aquela cena patética que viralizou na internet. Um chilique imortalizado na política nacional.

 

Farisaicamente, no dia seguinte entregou um buquê de flores para seu desafeto, o senador Davi Alcolumbre. Pensava ela, talvez, que sua esperteza pudesse render apoios a Renan Calheiros, seu protegido. Deu tudo errado. Felizmente.

 

Eu conheci Kátia Abreu na Câmara dos Deputados, em 2000, quando ela assumiu pela primeira vez seu mandato. Presidente, então, da Federação da Agricultura de Tocantins, chegou no Congresso com fama de guerreira do agro.

 

Logo assumiu posição de liderança na bancada ruralista. Anti-petista roxa, estridente, destacava-se na briga contra os invasores de terras, em defesa da produção rural. Cresceu, e se elegeu senadora em 2006. Ficamos orgulhosos.

 

Quase virou candidata a vice-presidente, pelo DEM, na chapa de José Serra em 2010. Daí em diante, começou sua metamorfose política. Passou a namorar o PT e se engraçou com Dilma Rousseff. Em 2015, filiada ao PMDB, assumiu o Ministério da Agricultura.

 

Ninguém do agro entendeu, ao certo, sua mudança de posição. De defensora, passou a ser considerada traidora da agricultura. Uma decepção.

 

Quando começou a fazer água o governo de Dilma, seguindo-se o impeachment, aí sim, ela, reeleita senadora apoiada pelo PT, se revelou por inteiro. Acobertou a sujeira da corrupção.

 

Assim como se projetou, Kátia Abreu se esborrachou. Perdeu o apoio das lideranças rurais, perdeu a sustentação da quadrilha vermelha, perdeu sua moral. Restou sua vigarice, demonstrada nesse episódio da eleição no Senado.

 

Líderes assim, velhacos, toscos, servem somente para atrapalhar a imagem do agro nacional. Como se não bastassem os problemas reais, as dificuldades de interlocução com a sociedade, o preconceito trazido desde Jeca Tatu, ainda aparecem esses falsos líderes que, no fundo, cultivam apenas seu narcisismo. Mancham o mundo rural.

 

A senadora Kátia Abreu envergonha a moderna produção rural brasileira. Menos por seus chiliques, que são horríveis, e mais por sua falta de coerência, que beira a desonestidade.

 

Eleito o senador Davi Alcolumbre para presidir o Senado, resta a Kátia Abreu recolher-se humildemente à sua insignificância. Sei não.

 

Como qualquer trânsfuga do poder, logo ela detectará uma oportunidade e preparará sua nova jogada de esperteza. Provavelmente ao lado de Renan Calheiros.

 

Cuidado, Jair Bolsonaro. Os loucos da política nunca se abatem.