Um general a menos, Maia quer blindará Câmara e o Juiz Moro no Banco de interrogatório

Posted On Quarta, 12 Junho 2019 05:20
Avalie este item
(0 votos)

General deixa presidência da Funai

Após pressão de ruralistas, o presidente da Funai, o general do Exército da reserva Franklimberg Ribeiro de Freitas, anunciou há pouco, em Brasília, que deixou o cargo. A reportagem apurou que ele disse aos servidores, reunidos a seu pedido no auditório do órgão, que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) está sendo mal assessorado na questão indígena e apontou a influência negativa do ruralista e secretário de política agrária do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia. É a segunda vez que Franklimberg deixa a presidência da Funai após pressões dos ruralistas. A primeira queda ocorreu durante o governo de Michel Temer (2016-2018), quando Franklimberg entrou em atrito com parlamentares que pretendiam alterar processos de demarcação de terras indígenas.

 

Para PF, invasão de celulares foi ação orquestrada por grupo

 

A Polícia Federal suspeita que os ataques de hackers em celulares de pessoas ligadas à Lava Jato tenham sido realizados de forma orquestrada, por um mesmo grupo. Embora as investigações ocorram de forma individual, a PF identificou um padrão nos casos. Há até agora quatro inquéritos abertos para apurar as invasões, em Curitiba, Rio, Brasília e São Paulo, incluindo o que envolve o ministro de Justiça, Sergio Moro. Os hackers tiveram acesso a um aplicativo específico de mensagens, o Telegram, e o fizeram depois da realização de telefonemas para o celular que seria alvo. Os primeiros relatos são de abril.

 

Coleta dados em celular

 

Como dissemos acima, peritos da PF coletaram dados do celular de Sérgio Moro na investigação para tentar descobrir de onde partiu o ataque de hackers.

 

 

STF decide voltar a julgar prisão em 2ª instância

 

Após apelo do decano Celso de Mello, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, vai marcar para o segundo semestre novo julgamento sobre a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância - a previsão é de que fique para outubro. Em três ocasiões, a Corte firmou entendimento favorável à medida, considerada um dos pilares da Lava Jato e defendida por Sérgio Moro, mas contestada pela OAB.

 

 

Advogado de Adélio fala sobre quem o paga

 

 

O presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo em sua página do Twitter, no qual advogado de Adélio Bispo diz que é pago por emissoras de TV; assista. O presidente Jair Bolsonaro publicou, na noite desta terça-feira (11), um vídeo em seu Twitter que mostra um dos advogados de Adélio Bispo, Zanone Júnior, sendo entrevistado por uma repórter do site Direita Minas. Na ocasião, o advogado é indagado sobre quem estaria pagando os seus honorários – ou seja, quem estaria custeando a defesa de Adélio.

 

 

 

Maia afirma que blindará Câmara

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (11) que irá "blindar a Câmara de qualquer crise". Sem fazer referência direta ao caso das mensagens entre o ministro da Justiça, Sergio Moro, e procuradores da Lava Jato na época em que ele era juiz, o deputado diz que o foco da Casa são as reformas.

"Vamos blindar a Câmara de qualquer crise. Nosso esforço e nosso foco está na aprovação das reformas e de todos os projetos que são essenciais para o Brasil", escreveu Rodrigo Maia, no Twitter.

"Nada é mais importante do que o resgate da confiança, com o equilíbrio das contas públicas e a geração de empregos no país", afirmou.

A oposição na Câmara anunciou na segunda-feira (10) que irá obstruir todas as votações no Congresso, pleiteando que Moro seja afastado do cargo.

 

Moro decide ir ao Senado e Maia desencoraja adesão do centrão a proposta de CPMI

 

Pressionado pelo vazamento de conversas com procuradores nas quais combina ações da Lava-Jato, o ministro da Justiça, Sergio Moro, irá dia 19 ao Senado dar explicações. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), desencorajou o centrão a aderir a uma CPMI proposta pela oposição. O presidente Bolsonaro, que ontem condecorou Moro, encerrou entrevista coletiva quando um repórter perguntou sobre o vazamento.

 

Governo faz acordo e evita apagão nas contas

 

Planalto poderá captar R$ 248 bi; em troca, vai liberar verbas para programas. Com apoio unânime de 450 deputados e 61 senadores, o Congresso aprovou autorização especial para que o governo capte R$ 248,9 bilhões em empréstimos para cumprir compromissos como o pagamento de benefícios sociais, caso do Benefício de Prestação Continuada (BPC). Como a prática é vedada pela Constituição e seu descumprimento é crime de responsabilidade, o governo precisou do aval do Legislativo. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que o resultado é um “sinal claro” da disposição dos parlamentares em apreciar matérias de interesse do País. A votação do crédito suplementar só foi possível porque o governo aceitou liberar R$ 1 bilhão para o Minha Casa Minha Vida e R$ 1 bilhão para o custeio de universidades. Foram prometidos R$ 550 milhões para a transposição do Rio São Francisco e R$ 330 milhões para bolsas de pesquisas ligadas à pasta de Ciência e Tecnologia.

 

 

‘Quadrilhão’ do PP

 

A 2ª Turma do STF aceitou, por 3 votos a 2, denúncia contra quatro políticos do PP por organização criminosa. Esquema teria durado até 2015. Oram denunciados: Eduardo da Fonte (PP-PE), Arthur Lira (PP-AL), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Ciro Nogueira (PP-PI) vão para o banco dos réus

 

 Reforma sem capitalização

 

Em troca de apoio, 25 governadores negociam a retirada de pontos da reforma da Previdência. Eles querem que o sistema de capitalização saia do texto, junto com as mudanças nos benefícios pagos a idosos e na aposentadoria rural, e pedem que o governo desista de autorizar mudanças via lei complementar.

 

Petrobras – para baixar preços

 

Em audiência na Comissão de Minas e Energia, na Câmara dos Deputados, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse que a empresa fez o possível para reduzir preços de diesel e gasolina, mas o valor final depende de fatores externos. Ele frisou que objetivo é mantê-los abaixo da média internacional.

 

Academia Palmense de Letras com projeto literário

 

A presidente da Academia Palmense de Letras (APL), Francisquinha Laranjeiras, e o presidente da Agência de Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), Tom Lyra, estiveram reunidos na última sexta, 7, para tratar dos projetos da entidade.

Criada em 2002, a entidade trabalha para promover a integração de seus imortais com a comunidade, por meio de propostas como a Terça Literária, onde a obra de seus homenageados é dramatizada para o público. “Temos médicos, poetas, cronistas, contistas, historiadores, ou seja, obras diversificadas em vários campos do saber”, ressalta a presidente da Academia Palmense de Letras, que é mestre em história cultural e possui dois livros tendo como tema o rio Araguaia.

A última edição ocorreu no dia 4 de junho, no Sarau Auscultando a Vida, que prestou homenagem ao médico, ex-prefeito de Palmas escritor Odir Rocha. “Queremos levar nosso projeto para outros espaços públicos, como o Memorial Coluna Prestes”, enfatizou, lembrando que, ainda este ano, estão previstos sarais voltados às obras de Iolete Aguiar, Jales Paniago e Tomásia Parrião, além de uma homenagem, no final do ano, a autores já falecidos, como José Gomes Sobrinho, Margarida Lemos e Fidêncio Bogo.

Última modificação em Quarta, 12 Junho 2019 09:17

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-500.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias