A inovação tecnológica foi apresentada pelo diretor de Gestão e Integração de Informações da Senasp, Dr. Wellington Clay Porcino Silva - Ademir dos Anjos/Governo do Tocantins

 

Por Camilla Negre

 

Integrantes das forças de segurança participam de palestra sobre integração de dados com nova plataforma digital Ademir dos Anjos/Governo do TocantinsA inovação tecnológica foi apresentada pelo diretor de Gestão e Integração de Informações da Senasp, Dr. Wellington Clay Porcino Silva Integrantes das forças de segurança participam de palestra sobre integração de dados com nova plataforma digital

Representantes das Forças de Segurança do Tocantins, das Secretarias da Fazenda, Planejamento e Cidadania e Justiça, da Secretaria Municipal de Segurança e Mobilidade da Capital assistiram na tarde desta quarta-feira, 4, no auditório do Palácio Araguaia, em Palmas, uma palestra sobre a plataforma digital Big Data e Inteligência Artificial da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). A nova ferramenta visa integrar os dados da Segurança Pública do País e proporcionar aos profissionais de Segurança Pública acesso, em tempo real, às informações como ocorrências e dados estatísticos entre outras.

 

A inovação tecnológica foi apresentada pelo diretor de Gestão e Integração de Informações da Senasp, Wellington Clay Porcino Silva. Segundo ele, a plataforma é uma grande mudança, pois a tecnologia integrada é muito diferente da que até então vem sendo utilizada. “Ela possibilita trabalhar com grande variedade e volume desses dados, além de ser intuitiva e fácil de trabalhar” destacou o palestrante.

 

Sobre o sistema, Dr. Wellington Clay informou que ele foi lançado recentemente, e que o Tocantins vai ser um dos primeiros a receber e a participar. “Uma equipe já está disponível para iniciar os trabalhos de integração para que os dados estejam no sistema o mais rapidamente possível, o sistema vai trabalhar com dados de todas as polícias do Brasil, numa única plataforma, alguns dados serão compartilhados por todos os Estados” complementou.

 

Representando o secretário de Estado da Segurança Pública, Cristiano Sampaio, que cumpre agenda em Brasília, a Delegada Geral, Raimunda Bezerra, reiterou que a palestra mostra a necessidade das Forças de Segurança estarem constantemente se encontrando e dialogando e que a Senasp tem procurado integrar as informações de segurança pública em todo o Brasil, coletando dados e incluindo o máximo para facilitar e otimizar o serviço de segurança pública.

 

Big data

O Big Data inaugura o uso, no Brasil, de tecnologia e ciência de dados, em grande escala e velocidade, para obter resultados positivos. Inicialmente, a entrega dispõe de quatro ferramentas do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp); o Sinesp Big Data, o Sinesp Geo Inteligência, o Sinesp Tempo Real e o Sinesp Busca e será direcionada aos municípios que vão receber Em Frente Brasil, projeto piloto de enfrentamento à criminalidade violenta: Espírito Santo, Goiás, Pará, Paraná e Pernambuco e agora Tocantins. Segundo o Ministério da Justiça, até o final do ano, o projeto chega a outros sete estados: Acre, Alagoas, Amapá, Piauí, Rio Grande do Norte, Roraima e Sergipe.

 

Posted On Sexta, 06 Setembro 2019 16:06 Escrito por

Uma adolescente também foi apreendida na ação. Operação já retirou de circulação 14 traficantes e apreendeu três adolescentes na região

 

Por Camilla Negre

 

Seis homens de iniciais M.S.B.B, B.L.C, L.S.F, E.F.S.A, W.S.F e B.S. foram presos e uma adolescente apreendida suspeitos de fazerem parte de uma rede de organização envolvida com tráfico de drogas em Palmas. A prisão em flagrante foi efetuada nesta quarta-feira, 14, por cerca de vinte agentes da Divisão Especializada na Repressão ao Narcotráfico (Denarc) e do Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE). A ação é mais um desdobramento da Operação Napalm, deflagrada em junho deste ano com vistas a eliminar redes de tráfico de drogas em Palmas e cidades circunvizinhas. Somadas a outras prisões que se iniciaram na ultima quinta-feira, a Polícia prendeu, ao total, dezessete suspeitos de tráfico de drogas.

 

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Emerson Francisco de Moura, os suspeitos foram localizados em diferentes casas na capital e estavam sendo monitorados há dois meses, aproximadamente. Além das prisões, a Polícia Civil apreendeu ainda drogas (crack, cocaína e maconha), insumos para a venda, uma arma, aproximadamente R$ 1,5 mil em dinheiro e duas motos. Ainda segundo o delegado, a maioria dos suspeitos presos nesta ação são membros de uma facção criminosa.

 

As investigações continuam e outros desdobramentos da Operação podem acontecer a qualquer momento. Os suspeitos foram encaminhados para a Casa de Prisão Provisória de Palmas.

 

Operação Napalm

A Operação Napalm prendeu duas pessoas envolvidas com a plantação de aproximadamente dez mil pés de maconha em Miranorte do Tocantins, a 107 quilômetros de Palmas. Na ocasião, a Denarc contou com a parceria do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) da Secretaria da Segurança Pública (SSP) e com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público.

 

As investigações tiveram início por meio de denúncia anônima de que o município de Palmas estaria sendo abastecido de maconha de outras praças e não, como rotineiramente, de Brasília (DF) e Goiânia (GO), mas, sim, do próprio estado, mais precisamente na cidade de Miranorte, região Central do Estado.

 

Durante a operação, os policiais civis encontraram mudas, vegetação colhida e em processo de maturação, insumos e sementes. A Perícia Criminal esteve no local e identificou cerca de dez mil pés de maconha e o material foi incinerado ainda no local.

 

Posted On Quinta, 15 Agosto 2019 03:44 Escrito por

Homem usava a própria casa como ponto de venda e escondia parte do entorpecente na casa da companheira

 

Por Rogério de Oliveira

 

Policiais Civis da Delegacia Especializada na Repressão a Narcóticos (Denarc), comandados pelo delegado Emerson Francisco de Moura, deflagraram, na tarde desta segunda-feira (12), em Palmas, a operação “Bazófia, que resultou na prisão de uma mulher de inicias C.S.S, de 18 anos, e de um indivíduo de iniciais, M.H.C.S, de 24 anos. Durante a ação, também foram apreendidos mais de 7kg de maconha, no Jardim Taquari, região Sul de Palmas.

 

De acordo com o delegado, a ação faz parte do combate a uma rede de tráfico de drogas que estaria sendo coordenada por detentos em Palmas. Após a informação de que um carregamento de entorpecente, bem como insumos relacionados ao tráfico, estariam em uma residência, no Jardim Taquari, local já monitorado pela DENARC e que era ocupado por um integrante de facção criminosa preso também em ação da Delegacia Especializada e posto em liberdade recentemente, os policiais civis deslocaram-se até o local e perceberam intenso fluxo de usuários.

 

Após a saída de algumas pessoas do imóvel, os agentes aproximaram-se do portão, sendo recebidos pelo traficante (M.H.C.S, vulgo "Matheuzinho"), que acreditava se tratar de novos usuários querendo adquirir drogas. No local, foi confirmado que o indivíduo utilizava a própria residência como ponto de venda de drogas e escondia parte do entorpecente na casa de sua companheira C.S.S, também no Jardim Taquari. Buscas no interior do imóvel de M. H. C. S. levaram ao encontro de várias porções de entorpecente, bem como uma balança de precisão citada em outra ação da DENARC que resultou na prisão em flagrante de uma mulher e de um mototaxista pela manhã desta segunda-feira, 12. Também foram apreendidas várias anotações da contabilidade do tráfico, inclusive com o nome da investigada presa anteriormente.

 

Em seguida, os policiais deslocaram-se até a casa de C.S.S, companheira do suspeito, onde estaria armazenada expressiva quantidade de entorpecente. No imóvel, os policiais civis puderam confirmar a presença de várias barras inteiriças de maconha, balança de precisão e anotações da contabilidade do tráfico feitas por C.S.S. Diante dos fatos, o casal foi conduzido até à sede da DENARC, onde foram autuados em flagrante por tráfico de drogas e associação para o tráfico. C.S.S foi recolhida à Unidade Prisional Feminina de Palmas e M.H.C.S foi encaminhado à Casa de Prisão Provisória de Palmas. Ambos permanecerão à disposição do Poder Judiciário.

Posted On Terça, 13 Agosto 2019 07:10 Escrito por

Organização criminosa adquiriu materiais de construção e bebidas alcóolicas mediante pagamentos com cheques sem fundos.

 

Por Wherbert Araújo

 

A Polícia Civil do Tocantins deflagrou na manhã desta quinta-feira, 08, em Porto Nacional, a 60 quilômetros de Palmas, a Operação Alínea 11, que investiga a prática de associação criminosa, estelionato e receptação qualificada na região. A suspeita é que o grupo tenha causado um prejuízo financeiro às vítimas de mais de R$ 40 mil.

 

Na operação, conduzida pela 3ª Delegacia de Polícia de Polícia de Porto Nacional, em parceria com a 4ª Delegacia do município (Luzimangues), foram cumpridos mandados de prisão temporária e preventiva e de busca e apreensão. A suspeita é que um grupo criminoso teria aberto uma empresa de fachada com o objetivo de adquirir produtos mediante emissão de cheques sem fundos, sendo revendidos no comércio local. O esquema funcionaria desde o início do ano, onde foram adquiridos e comercializados uma grande quantidade de cerveja em lata, inclusive durante as festividades do carnaval deste ano.

 

Operação

 

A Operação ganhou o nome de Alínea 11 em alusão aos procedimentos comumente realizados por estabelecimentos bancários onde, na compensação de cheques, identifica-se que a conta em questão possui insuficiência de fundos monetários para pagamento.

 

Foram presos nesta quinta-feira, 08, quatro pessoas, sendo três homens e uma mulher. Um deles inclusive já cumpre pena por homicídio na Casa de Prisão Provisória de Porto Nacional. As iniciais dos suspeitos são: W. J. T. S e J.C.N (presos temporariamente), M.A. L. C e H. P.N (presos preventivamente), sendo que este último já se encontra preso por outro delito.

 

Segundo o delegado Ricardo Real, responsável pela operação, as investigações iniciaram no início de maio, quando duas empresas procuraram a Polícia Civil informando que estariam sendo lesadas por cheques emitidos sem fundos na cidade. As vítimas seriam uma empresa de materiais de construção e uma distribuidora de bebidas em grande escala. “Houve um desfalque significativo para estas empresas. Concluímos que a organização criminosa atuava no mercado na compra de mercadoria, materiais de construção e fornecimento de bebidas”, afirmou.

 

O delegado ressaltou ainda que uma empresa de fachada na modalidade microempreendedor individual chegou a ser montada, contando inclusive com uma estrutura física alugada para o recebimento dos materiais adquiridos mediante a emissão dos cheques sem fundos. “O produto do crime era oriundo desta organização, que alugou um imóvel, onde, em tese funcionaria a empresa de fachada. O local era usado apenas para o recebimento das mercadorias. Tão logo eram recebidas, elas eram encaminhadas aos receptadores”, ressaltou.

 

Ainda de acordo com o delegado, existe a possibilidade de que uma rede de receptadores atue conjuntamente com a associação criminosa. “Essas mercadorias eram rapidamente retiradas para o destinatário final, que seria o receptador, e que posteriormente comercializavam aqueles produtos”, afirmou.

 

Com o seguimento das investigações, outras pessoas também poderão ser indiciadas por participação no esquema criminoso. Até o momento não há informações de que o grupo tenha efetuado compras em outros municípios vizinhos a Porto Nacional. Suspeitos foram encaminhados para a Casa de Prisão Provisória de Porto Nacional e para a unidade prisional feminina de Palmas.

Posted On Quinta, 08 Agosto 2019 13:28 Escrito por

Além dos policiais federais, três delegados de polícia civil, um perito criminal e dois analistas da Secretaria da Segurança Pública estão sendo treinados na Edição Tocantins do V Curso de Investigação e Análise Financeira

 

Por Priscila Cadore e Camilla Negre

 

As Polícias Civil e Científica do Tocantins estão representadas no V Curso de Investigação e Análise Financeira, Edição Tocantins, promovido pela Polícia Federal. O curso acontece até 7 de junho, na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal no Tocantins, e possui em seu conteúdo programático as temáticas de Crimes Financeiros, Business Intelligence, Análises Bancária, Fiscal, de Vínculos e de Relatórios de Inteligência Financeira – RIF gerados pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF).

 

Além dos policiais federais, participam da capacitação três delegados de polícia civil, um perito criminal da Seção de Crimes Financeiros do Instituto de Criminalística e dois analistas do Laboratório de Lavagem de Dinheiro da Secretaria da Segurança Pública, que, assim como a troca de experiências institucionais, terão a sua disposição novas práticas na verificação de indícios de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, instrumentalizando, assim, o desencadeamento de investigações que possam municiar o Poder Judiciário na responsabilização dos autores desses delitos de alta complexidade.

 

Segundo o delegado Emerson Francisco de Moura, titular da Delegacia Especializada na Repressão a Narcóticos – DENARC, da Capital, e participante do Curso, a capacitação traz novas ferramentas que ajudam e facilitam o trabalho de investigação da Polícia Civil.

 

“O curso é de grande valia, novos conhecimentos são adquiridos, principalmente para nós, que trabalhamos na área específica do trafico de drogas, permitindo o aprimoramento dos mecanismos de investigação para tentar localizar bens e valores de traficantes que estejam dissimulados em aparente origem lícita. Isso permite a inutilização desses recursos para financiar o tráfico e organizações criminosas. Combatemos, assim, o tráfico de drogas e também o seu financiamento”.

 

O curso é um desdobramento do Programa Nacional de Capacitação e Treinamento para o Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (PNLD), mantido pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública – MJSP, que tem como uma de suas principais metas o enfrentamento à corrupção. A participação dos policiais civis do Tocantins, por sua vez, representa uma das facetas da integração e articulação entre órgãos de segurança federal e estadual necessárias para a efetividade na repressão a tais crimes.

 

Parceria

 

 

A parceria com a Polícia Federal também foi responsável pela capacitação em defesa pessoal com especificação de Bastão Retrátil de policiais federais, civis e militares em Palmas, na semana passada. O curso da Polícia Federal teve como objetivo a atualização dos participantes para atuar no serviço operacional, padronizando as técnicas de defesa pessoal utilizadas. As aulas teóricas do curso também foram realizadas na sede da Superintendência Regional da PF no Tocantins e as aulas práticas na ESPOL. Além dos policiais federais, três policiais civis e quatro policiais militares concluíram o treinamento.

Posted On Quarta, 05 Junho 2019 08:19 Escrito por
Página 1 de 34

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-500.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias