Levantamento realizado em 39 municípios tocantinenses mostra intenção de votos para governador, senador e presidente

 

Com Assessoria

Já está disponível no site www.fieto.com.br a pesquisa de intenção de votos nas eleições 2018 para os cargos de governador, senador e presidente da República encomendada pela Federação das Indústrias do Estado do Tocantins (FIETO) e TV Jovem/Record Tocantins ao Instituto VETOR.

As entrevistas foram realizadas de 16 a 19 de setembro e a margem de confiança é de 95%, com erro máximo estimado em 3 pontos percentuais para mais ou para menos. O registro das pesquisas no Tribunal Regional Eleitoral foi realizado sob o número
TO-05129/2018 (Governador e Senador) e BR-07056/2018 (Presidência da República).

Foram entrevistados 1.000 eleitores em 39 municípios do estado, sendo eles: Almas, Alvorada, Araguaçu, Araguaína, Araguatins, Arapoema, Arraias, Augustinópolis, Axixá do Tocantins, Buriti do Tocantins, Campos Lindos, Colinas do Tocantins, Cristalândia, Dianópolis, Dois Irmãos do Tocantins, Esperantina, Filadélfia, Formoso do Araguaia, Goiatins, Guaraí, Gurupi, Itacajá, Itaguatins, Lagoa da Confusão, Miracema do Tocantins, Miranorte, Monte do Carmo, Palmas, Palmeirópolis, Paraíso do Tocantins, Pium, Ponte Alta do Tocantins, Porto Nacional, Praia Norte, Santa Fé do Araguaia, Taguatinga, Tocantínia, Tocantinópolis e Xambioá.

Link Pesquisa: http://fieto.com.br/Publicacao.aspx?c=9b25d31a-dd70-43e6-b3a9-148ae9a77214

Postado em Sexta, 21 Setembro 2018 17:07 Escrito por

O equilíbrio administrativo, com respeito ao cidadão tocantinense, voltou a fazer parte da gestão estadual. Independentemente de cores partidárias ou ideologia política, o governador Mauro Carlesse e sua equipe vêm, de forma elogiável, cumprindo com o dever de governante e mantendo as obrigações inerentes a saúde pública, a segurança e ao pagamento do funcionalismo público

 

Por: Edson Rodrigues

 

Também está rigorosamente em dia, o repasse constitucional aos demais poderes, o que possibilita uma convivência harmônica e respeitosa, alem de aumentar a sensação de estabilidade e de governabilidade com apoio da maioria absoluta do poder legislativo tocantinense.

 

Cumprido compromissos e incomodando adversários

O governador Mauro Carlesse vem, de forma humilde, administrando o estado com respeito ao povo tocantinense e, juntamente com sua equipe de governo, buscando as melhores alternativas para melhoria do atendimento na área da saúde pública, onde, inclusive, pôs fim à situação desumana de pacientes alojados nos corredores dos hospitais públicos, sobretudo no HGP.

 

E mesmo com equipe de governo travada, em decorrência do período eleitoral, o governo de Mauro Carlesse tem mantido as farmácias dos hospitais bem abastecidas e os centros cirúrgicos em pleno funcionamento, sendo feitas dezenas de cirurgias.

Também navega em águas tranquilas o transporte e a merenda escolar, dentro da normalidade administrativa, além de estradas vicinais, todas pavimentadas e em boas condições de trafegabilidade.

 

Apesar de estar de ‘mãos atadas’ em respeito às normas legais do período, a determinação do governo é atender e tentar resolver, dentro da legalidade, todas as demandas apresentadas. Porém, para evitar cometer qualquer irregularidade, Mauro Carlesse tem pedido aos companheiros que tenham paciência naquilo que a lei o impede de resolver. Nesse sentido, sua equipe tem sido muito bem orientada, juridicamente pelo gabinete civil.

 

Pelo menos foi este o esclarecimento que nos foi dado por um membro do governo, ao mencionar que isso tem deixado alguns companheiros contrariados. Vale ressaltar aqui que o período é, de fato, delicado e propenso a desconfortos políticos junto aos aliados e questionamentos por parte dos adversários, que em tudo vê motivos para questionamentos e qualquer Ato administrativo pode ser alegado o uso da máquina administrativa em benefício da candidatura de Mauro Carlesse.

 

A reeleição de Carlesse garante a governabilidade com uma plataforma de governo alicerçada na família tocantinense e no respeito aos servidores públicos, proporcionando confiabilidade no cronograma de pagamento da folha e uma convivência harmônica e respeitosa com os demais poderes, sem perseguição política ou qualquer ato que dificulte seu bom transito junto ao eleitor.

 

Está mais do que provado que o governador Mauro Carlesse é o que mais assegura esta estabilidade. Motivo pelo qual sua reeleição é tida como certa, haja vista que a própria população, o funcionalismo público, os empresários e a maioria dos prefeitos tocantinenses estão apoiando a continuidade deste governo, que tem ainda a parceria da maior parte dos deputados estaduais e federais, por mais quatro anos.

 

Postado em Sexta, 14 Setembro 2018 10:38 Escrito por

O clima do ‘já ganhou’ está contaminando o bom desempenho da campanha a reeleição do governador Mauro Carlesse, por parte de seus auxiliares e novos aliados

 

Por: Edson Rodrigues

 

Números de prefeitos, vereadores e deputados não significa garantias de votos. Foi justamente esta contaminação que levou o ex-governador Carlos Gaguim a perder por menos de 1%, as eleições de 2010.

 

Os resultados, aos quais O Paralelo 13 teve acesso nesta noite de quarta-feira (12) é um alerta aos auxiliares do governo de Mauro Carlesse para ‘baixarem a bola’ pois o jogo, literalmente jogado, começa hoje, quinta-feira (13). A oxigenação da base do seu mais forte adversário começou hoje.

 

Dessa forma qualquer resultado das eleições de 07 de outubro, previstos nas pesquisas, até agora publicadas, pode ser furado. O ‘jogo jogado’ começou nesta semana e ainda não deu para ser sentido e aferido nas últimas pesquisas.

 

Voltamos afirmar que nos próximos 24 dias ocorrerão grandes acontecimentos políticos de bastidores, cujas proporções e impactos levarão até deus duvidar.

 

Uma fonte nossa, com bom trânsito no palácio Araguaia, nos confirmou que outro Instituto de pesquisa detectou esta mudança também em Porto Nacional, Paraíso, Gurupi e Araguaína, sendo que em Araguaína, a mudança já mostrou um sangramento maior.

 

Araguaína

Não é novidade, muito menos invenção, a forma definitiva da chegada de Ronaldo Dimas na campanha de Mauro Carlesse à reeleição. Porém, não tem mostrado nenhuma vantagem, muito menos somatória. Sobretudo e principalmente depois que Dimas resolveu declarar, publicamente, seu apoio ao deputado federal Irajá Abreu, postulante ao cargo de senador e pertencente a outra ala, contra os interesses de Mauro Carlesse, inclusive no primeiro turno das eleições suplementar.

O nobre deputado é filho da ex-ministra e senadora Kátia Abreu, que por sinal pode ser vice-presidente da república, cargo que disputa ao lado do presidenciável Ciro Gomes, segundo colocado nas últimas pesquisas do Instituto Ibope, em parceria com a rede globo e folha de São Paulo, divulgadas ontem, quarta-feira (12).

 

Ao prefeito de Araguaína resta baixar a bola ou vai prejudicar a candidatura do seu filho a um mandato de deputado federal.

 

Até aqui o comportamento de Ronaldo Dimas só prejudicou o governador Mauro Carlesse que está vendo sua base se desentender na segunda maior cidade e segundo maior colégio eleitoral do estado: o estremecimento com a deputada Valderez Castelo Branco e o seu esposo deputado federal Lázaro Botelho, ambos candidatos a reeleição e com o deputado Cesar Halum abandonado no salão por Ronaldo Dimas, os três são lideranças consolidadas e respeitadas e todos com uma longa folha de serviços prestados ao povo, especialmente de Araguaína e região.

 

O prefeito de Araguaína corre um grande risco de sair menor do que entrou, principalmente se não conseguir eleger seu filho para o cargo de deputado federal.

 

Desentendimento na base atrapalha serviço de marketing

O desentendimento na base governista, idêntico ao criado por Dimas, em Araguaína, atrapalha, e muito, o serviço de marketing da política e contamina as outras candidaturas proporcionais.

 

É bom que os aliados do governador Mauro Carlesse, lembrem que ele (governador) está fazendo sua parte; cumprindo corretamente suas obrigações como chefe de estado e como candidato. Também não podem esquecer que Carlesse já chegou ao limite e não pode queimar ‘sua gordura’ com companheiros. Os adversários se aproximam para o combate e embate final.

 

Ou os "seus companheiros” parem de sangrar sua candidatura ou todos sofrerão anemia de votos.

 

Contaminação

As candidaturas proporcionais também sofrerão desgastes. Gente, digo candidato, que pensa estar sacramentado pode ter surpresas, estamos em uma eleição onde ninguém tem certeza de nada, pois só tem uma ‘regra mãe’: ‘ganhar’. E ganhar com dinheiro, muita grana; uma nota atrás da outra. Sem deixar provas ou rastros. Sem impressão digital e sem voz. Sem rastros ou provas que possam incriminar quem paga, tampouco quem recebe. Ou alguém tem dúvidas?

 

Pacto Siciliano

Resultado das urnas em 7 de outubro poderá enterrar muitos institutos de pesquisas, no Tocantins, para o resto da vida. Tanto os com sedes no estado como os nacionais.

Postado em Quinta, 13 Setembro 2018 09:27 Escrito por

Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad (PT) estão tecnicamente empatados, considerando a margem de erro

Com Agência Brasil

 

A pesquisa eleitoral divulgada pelo Datafolha nesta segunda-feira (10) mostra o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) mantendo a liderança da corrida presidencial, com 24% das intenções de votos.

 

O levantamento do Datafolha não incluiu o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como opção entre os presidenciáveis. O petista que teve a candidatura impugnada foi substituído na pesquisa por Fernando Haddad (PT).

 

O candidato do PSL, Jair Bolsonaro, é seguido por Ciro Gomes (PDT) que tem 13% da preferência dos eleitores, Marina Silva (Rede) com 11%, Geraldo Alckmin (PSDB) com 10% e Fernando Haddad (PT), com 9% das intenções de voto. Os quatro estão tecnicamente empatados em segundo lugar, levando em consideração o limite da margem de erro.

 

Alvaro Dias (Podemos), João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) alcançaram 3% das intenções. Guilherme Boulos (PSOL), Vera (PSTU), Cabo Daciolo (Patriota) atingiram 1%. João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não ponturaram. Branco/nulos somaram 15%, já não sabe/não respondeu foram 7%.

 

A margem de erro da pesquisa, encomendada pela TV Globo e "Folha de S.Paulo", é de 2% para mais ou para menos. Foram ouvidas 2.804 pessoas no dia 10 de setembro - o registro da pesquisa no TSE é BR 02376/2018. O nível de confiança da pesquisa é de 95% (isto é, se fosse refeita nos mesmos termos as chances de um resultado diverso é de 5%).

 

Veja a comparação de cada candidato com a pesquisa Datafolha do dia 21 de agosto:

Jair Bolsonaro oscilou de 22% para 24% (com a margem de erro, tem de 22% a 26%);
Ciro Gomes tinha 10%, agora tem 13% (pela margem de erro, de 11% a 15%);
Marina Silva estava com 16% e caiu para 11% (com a margem de erro, tem de 9% a 13%);
Geraldo Alckmin tinha 9%, agora, 10% (com a margem de erro, de 8% a 12%);
Fernando Haddad tinha 4% e cresceu para 9% (com a margem de erro, de 7% a 11%).
Álvaro Dias tinha 4%, agora tem 3% (com a margem de erro, de 1% a 5%);
João Amoêdo tinha 2%, agora, 3% (com a margem de erro, de 1% a 5%);
Henrique Meirelles também tinha 2%, agora 3% (com a margem de erro, de 1% a 5%).
Guilherme Boulos, Vera Lúcia e Cabo Daciolo tinham 1% cada um e mantiveram 1% (com a margem de erro, eles têm de 0% a 3%);
João Goulart Filho tinha 1%, agora, 0% (com a margem de erro, tem de 0% a 2%);
Votos brancos e nulos somavam 22%, agora, 15%.
Não responderam ou não quiseram opinar eram 6%, agora, 7%.

A maior rejeição verificada pela pesquisa é de Bolsonaro , que é repudiado por 43% dos eleitores. Vêm atrás Marina (29%), Alckmin (24%), Haddad (22%), Ciro (20%), Cabo Daciolo (19%), Vera (19%), Eymael (18%), Boulos (17%), Meirelles (17%), João Goulart Filho (15%), Amoêdo (15%) e Alvaro Dias (14%). Rejeita todos/não votaria em nenhum ( 5%), votaria em qualquer um/não rejeita nenhum (2%) e não sabe (6%).

 

Simulações do Datafolha para o segundo turno Nas simulações de segundo turno , Bolsonaro, que lidera a pesquisa, perde para todos os candidatos testados - com exceção de Haddad, com quem fica tecnicamente empatado.

 

Ciro Gomes venceria o capitão reformado por 45% a 35%. O tucano Geraldo Alckmin bateria o deputado federal por 43% a 34%. Já a ambientalista Marina Silva supera Bolsonaro por 43% a 37%. Na disputa com Haddad, o placar é 39% a 38% para o pestista, dentro, portanto, da margem de erro da pesquisa.

 

Em um segundo turno com Marina, a candidata da Rede ganha de Haddad (42% x 31%), fica tecnicamente empatada com Alckmin (38% x 37%) e perde para Ciro (41% x 35%). Segundo o Datafolha , Ciro ganha de Alckmin (39% x 35%) e Alckmin ganha de Haddad (43% x 29%).

 

Postado em Terça, 11 Setembro 2018 05:47 Escrito por

Os prefeitos das cinco principais cidades do Estado, depois da Capital – Porto Nacional, Araguaína, Gurupi, Colinas e Paraíso – estão vivendo uma situação de alta tensão na corrida eleitoral que se desenvolve, com um ingrediente amargo que pode colocar em risco o futuro tanto de suas administrações quanto de suas carreiras políticas.

 

 

Essa situação é a definição de quem vão apoiar para deputado federal, pois, caso não estejam apoiando nenhum dos atuais parlamentares, esses prefeitos podem dar adeus á contemplações de seus municípios em emendas parlamentares impositivas e emendas de bancada, às possibilidades de investimentos na Saúde, na Educação e na Segurança Pública.

 

prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas

 O prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas, resolveu assumir o risco por conta própria, esquecendo de ouvir a coletividade, de atentar para os interesses do município e colocou a própria carreira política em jogo ao lançar seu próprio filho como candidato a deputado federal.  Para isso, teve que deixar de apoiar o candidato “oficial” da cidade, César Halum, que faz parte da coligação que apóia a reeleição de Mauro Carlesse ao governo do Estado, além de declarar apoio à candidatura de Irajá Abreu ao Senado, que aparece bem nas pesquisas, empatado com os três principais nomes na corrida sucessória.

 

Caso Dimas consiga eleger seu filho, dará um grande passo na sua trajetória política.  Caso contrário, será a maior derrota que enfrentará.

 

PALMAS, UM CASO A PARTE

Já a principal cidade tocantinense, a Capital, Palmas, não precisa do termômetro das urnas para medir sua força política.  A prefeita, Cinthia Ribeiro resolveu não apadrinhar individualmente nenhuma candidatura proporcional, nem deputado federal, nem estadual.

 

Seu apoio está pulverizado a vários candidatos componentes da coligação que apóia Carlos Amastha.

 

prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro

Cinthia vem demonstrando muito equilíbrio político, evitando entrar em picuinhas ou desavenças com quem quer que seja, um comportamento que é de muita valia para seu futuro político, pois deixa praticamente todas as portas abertas, tanto na Assembleia Legislativa quanto no Congresso Nacional, especialmente na Câmara dos Deputados.

 

DE VOLTA AO RISCO

Imaginem a situação de um prefeito de uma cidade de importância econômica no Estado, se as urnas mostrarem que, em sua casa, seu candidato a deputado federal não foi bem votado. 

 

Como ficará a credibilidade desse prefeito para argumentar e cobrar alguma coisa com o deputado federal?

 

Não é segredo para ninguém que o Palácio Araguaia já arrumou um cantinho no freezer para o prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas, aonde deve “congelar” e ser esquecido.

prefeito de Gurupi, Laurez Moreira

Em conversa com um grão-mestre da cúpula do governo de Mauro Carlesse, os comentários sobre as atitudes de Dimas, nos últimos 14 dias, não foram nada promissores para o prefeito de Araguaína.

 

“Ronaldo Dimas ou está doido ou ganhou muito dinheiro. Ou é um brincalhão ou um desequilibrado”, comentou.

 

Pelo dito ou pelo não dito, deixemos as respostas com o tempo, senhor de todas as razões!

 

SENADO, UM SONHO DIVIDIDO

Já para o Senado, podemos dizer que uma das duas cadeiras em disputa virou o sonho de consumo de muita gente.  As duas últimas pesquisas, registradas no TRE, mostram quatro candidatos com chances reais de eleição e aumentam a importância dos quatro maiores colégios eleitorais do Estado na decisão de quem ficará com as vagas, principalmente em Palmas, pelo volume de votos.

prefeito de Paraiso Moises Avelino

Já nas cidades pequenas e médias cidades, a divisão dos votos se dará em nível familiar, apontando diferenças quase milimétricas entre um candidato e outro.

 

Esse panorama mostra que os 10 principais colégios eleitorais serão decisivos e só leva a maioria aquele candidato que tiver uma boa estrutura de campanha, com capilaridade suficiente para atuar com a mesma força em todas as frentes de disputa.

 

PESQUISAS

Como já dizia o saudoso Tancredo Neves, “quando estivermos na frente das pesquisas, temos que trabalhar em dobro para nos manter na liderança. Se estivermos em desvantagem, temos que trabalhar o triplo para sermos os primeiros”.

prefeito de Porto nacional Joaquim Maia

Lá nos idos do século passado, o velho e bom Tancredo já sabia que essa história de dizer o que o resultado da pesquisa de tal instituto foi comprado não cola, só piora a situação do candidato.

 

O caminho certo é único: o trabalho.

 

Esse é o nosso conselho aos candidatos. Trabalhem, mas trabalhem muito, pois ainda há muitos fatos por vir, muitas coisas que podem intervir no resultado final e o embrião sucessório ainda está em fase de formação, principalmente para o Senado, e as pesquisas, algumas vezes, podem mais atrapalhar que ajudar.

 

O SIÊNCIO DO ELEITOR

Para quem já viveu períodos eleitorais no Tocantins, o silêncio dos eleitores, principalmente nos 10 maiores colégios eleitorais, diz muita coisa.

 

Os estudantes universitários e secundaristas, as entidades classistas, empresários, associações comerciais, nunca demonstraram u comportamento tão estranho, diferente das demais eleições, como estão demonstrando agora. 

 

Todos evitam comentar sobre política. Bem diferente das eleições anteriores, em que as preferências eram escancaradas antes mesmo do período eleitoral.  Hoje, não se vê nem carros adesivados.  Ninguém quer ser associado a este ou àquele candidato.

 

Mudanças nesse comportamento só poderão ser notadas após o dia 20 de setembro, trazendo pesquisas mais assertivas e verdadeiras.  Em mais de 30 anos como dirigente de O Paralelo 13, sou testemunha dessa transformação por que passa o eleitorado tocantinense.  Um comportamento frio, desconfiado, que confunde até os institutos de pesquisa, que não conseguiram perceber essa tendência nas eleições suplementares de junho passado.

 

As dezenas de casos de corrupção nos governos passados, as atuais operações da Polícia Federal em território tocantinense, envolvendo desde a prefeitura de Palmas ao Palácio Araguaia, passando por vários órgãos, como a Câmara Municipal de Palmas, nas prefeituras do interior, como Porto Nacional, no Tribunal de Justiça do Estado e até no Ministério Público Estadual, dão uma pista dos motivos desse comportamento do eleitorado.

 

Desde há muito, todos os agentes públicos estão sob suspeita.  Os cidadãos, os eleitores, não sabem mais em quem pode confiar.

 

Mas, apesar disso, precisamos escutar o que disse o Papa Francisco: “dizer que não gosta de política, não está nem aí para os políticos, reclamar das altas tavas de impostos e ficar revoltado, não adianta nada se as pessoas não participarem do processo político, dando o primeiro passo, votando no menos ruim”.

 

Por isso, seguimos o pensamento do Papa e aconselhamos os eleitores tocantinenses a participar ativamente da escolha dos nossos representantes, desde a Assembleia Legislativa à presidência da República, passando pelos deputados federais, senadores e pelo governador do estado.  Assistam ás entrevistas, aos debates e aos programas eleitorais no Horário Gratuito, acompanhem as redes sociais, blogs, sites jornalísticos, telejornais e tudo o mais que estiver à sua disposição, com informações sérias.

 

Esses são os instrumentos para a formulação de um voto, pelo menos, pensado e coerente.

 

A história já mostrou que a abstenção eleitoral e a terceirização do voto só favorecem os piores candidatos...

 

 

Em nossa edição impressa da próxima semana, traremos reportagens, entrevistas e uma análise da conjuntura política sucessória.

 

Aguarde!

Postado em Sábado, 08 Setembro 2018 07:55 Escrito por
Página 1 de 204