O governo Mauro Carlesse vem aproveitando as medidas restritivas de movimentação de pessoas por conta da pandemia de Covid-19 e está aproveitando o pouco movimento nas rodovias do Estado para abrir frentes de trabalho em obras de recapeamento, recuperação, patrolamento e roçagem

 

Por Edson Rodrigues

 

Nsta etapa, estão sendo recuperados trechos das principais rodovias e de estradas vicinais que cortam as cidades de Araguaína, Gurupi, Porto Nacional, Paraíso, Guaraí, Tocantinópolis e Dianópolis.

 

As obras estão a cargo da Secretaria de Infraestrutura – Seinfra – e têm como objetivo melhorar a trafegabilidade e dar condições para que a safra possa ser escoada sem prejuízos aos caminhoneiros e demais usuários.

 

As frentes de serviço estão servindo, também, para gerar dezenas de empregos e movimentar a economia das cidades abrangidas. Os serviços estão sendo executados por servidores das Residências Rodoviárias de cada localidade, respeitando o decreto que restringiu o funcionamento dos serviços públicos da pandemia de coronavírus.

 

A manutenção e recuperação das rodovias são consideradas, pelo Governo do Tocantins, como serviços essenciais à sociedade.

 

A secretária da Infraestrutura, Cidades e Habitação, Juliana Passarin, informou que mesmo com a pandemia de coronavírus e com a limitação da atuação em algumas áreas, os serviços de manutenção serão mantidos. “O objetivo é melhorar o escoamento da produção agropecuária via caminhões e carretas, e o trânsito de outros veículos que utilizam a rodovia”, afirma a secretária.

 

Os trabalhos de manutenção foram intensificados no período chuvoso tanto nas rodovias não pavimentadas quanto nas pavimentadas.

 

VEJA abaixo as responsabilidades por trechos das regionais das residências e as rodovias e trechos que estão em obras:

 

Residência: RR 04 Guaraí

Serviço: Roçagem

Data início: 18/03/2020

Trecho: TO-336. Guaraí/ Colmeia.

Estradas_recuperadas_no_Tocantins.jpg - 111,31 kB

Residência: RR 02 Araguaína

Serviço: Recuperação de pontos críticos ( Atoleiros)

Data início: 19/03/2020

Trecho:  TO-421. Araguaína/ Região dos Pilões.

 

Residência: RR 02 Araguaína

Serviço: Patrolamento

Data início: 19/03/2020

Trecho:  TO-423 - Araguaína/Mato Verde/Entr. TO-424

Estradas_recuoeradas3.jpg - 183,65 kB

Residência: RR01 Porto Nacional

Serviço: Tapa Buraco

Data início: 02/03/2020

Trecho: TO-020. Palmas / Aparecida

 

Residência: RR01 Porto Nacional

Serviço: Patrolamento

Data início: 23/03/2020

Trecho: TO-030. Novo Acordo/São Félix.

 

Residência: RR 06 Dianópolis

Serviço: Patrolamento

Data início: 23/03/2020

Trecho: Comunidade Quilombola do Prata / São Félix

Estradas_recuoeradas4.jpg - 258,67 kB

Residência: RR03 Tocantinopolis

Serviço: Patrolamento e Revestimento Primário

Data início: 14/03/2020

Trecho: TO-210 ENTROCAMENTO 0-10/VILA ANTONINO (DIVISA TO/PA )

 

Residência: RR5 Gurupi

Serviço: Patrolamento e Revestimento Primário

Data início: 18/03/2020

Trecho: TO-373. Entr TO-280 (São Valério)/entr. TO-365 (balça rio Tocantins).

 

Residência: RR 05. Dianópolis

Serviço: Patrolamento

Data início: 24/03/2020

Trecho: TO 040. Almas/pindorama

 

Residência: RR 05 Gurupi

Serviço: Roçagem lateral da rodovia

Data: 24/03/2020

Trecho: TO-373. Gurupi/Dueré

Estradas_recuperadas_no_Tocantins_1.jpg - 122,35 kB

Residência: RR 01 Porto Nacional

Serviço: Tapa Buraco

Data início: 09/03/2020

Trecho: TO- 020. Taquaruçu/Buritirama.

 

Residência: RR06 Dianópolis

Serviço: Roçagem

Data início: 25/03/2020

Trecho: TO-050. Silvanopolis/ Porto

 

Residência: RR05 Gurupi

Serviço: Patrolamento e Revestimento Primário

Data início: 18/03/2020

Trecho: TO- 373. Entro TO-280 ( São Valério) / entr TO-365. ( balsa do rio TO)

 

Residência: RR03 Tocantinopolis

Serviço: Patrolamento e Revestimento Primário

Data início: 14/03/2020

Trecho: TO-413. ENTROCAMENTO 0-10/VILA ANTONINO (DIVISA TO/PA )

 

Residência: RR 04 Guaraí

Serviço: Recuperação de erosão

Data início: 23/03/2020

Trecho: TO- 010. Santa Maria e Pedro Afonso.

 

Residência: RR 01 Porto Nacional

Serviço: Tapa Buraco

Data início: 27/03/2020

Trecho: TO- 342. Miracema/ Miranorte.

 

Residência: RR02 Araguaína

Serviço: Patrolamento e Revestimento Primário

Data início: 30/03/2020

Trecho: TO-226.  Nova Olinda/ Palmeirante

 

Residência: RR 07 Paraiso

Serviço: Patrolamento

Data início: 30/03/2020

Trecho: TO-446. Barrolândia/ Abreulândia.

 

Residência: RR 07 Paraiso

Serviço: Patrolamento

Data início: 31/03/2020

Trecho: TO-447. Paraíso/Chapada de Areia.

 

Residência: RR 07 Paraiso

Serviço: Tapa Buraco

Data início: 31/03/2020

Trecho: TO-080. Paraiso/Caseara.

 

Residência: RR05 Gurupi

Serviço: Patrolamento e Revestimento Primário

Data início: 18/03/2020

Trecho: TO- 373. Entro TO-280 ( São Valério) / entr TO-365. ( balsa do rio TO)

 

Residência: RR 03 Tocantinopolis

Serviço: Tapa Buraco

Data início: 30/03/2020

Trecho: TO-210.  Tocantinopolis/ BR-230.

 

Posted On Segunda, 06 Abril 2020 06:20 Escrito por

Antes de entrar no mérito deste Editorial, precisamos fazer um demonstrativo da pirâmide etária no Tocantins, que abriga uma parcela significativa da sua população entre os mais vulneráveis em tempos de pandemia de Covid-19 e, ao mesmo tempo, recebem bem menos que dois salários mínimos por mês para o seu sustento e de suas famílias e muitos dependem do auxílio do Bolsa-Família para chegar menos apertado no fim do mês.

 

Por Edson Rodrigues

 

 

São, atualmente, 106.108 famílias e, que recebem R$ 21.036.677,00 em recursos disponibilizados pelo Bolsa-Família todo mês. O Tocantins também é o 17° entre 27 estados brasileiros em número de aposentados, sendo 176.646 pessoas que recebem R$ 1.769.420,20, mensalmente, em aposentadorias, segundo dados do IBGE, do PNUD e do Ipea, publicados no Atlas Brasil e disponíveis no link http://www.atlasbrasil.org.br/2019/pt/perfil_uf/tocantins

 

Logo, toda e qualquer ação que venha a beneficiar essas famílias tocantinenses, é mais que bem vinda.

 

PECULIARIDADES

O Tocantins ainda guarda uma série de peculiaridades em relação à sua distribuição social.  Inicialmente formado por uma população essencialmente pobre, o Tocantins é o Estado mais novo da federação e tem uma previdência estadual – Igeprev – ainda em seu início.  As pessoas que não estão empregadas no Estado ou no Município, em sua maioria, estão desempregadas e, por isso, se tornaram trabalhadores informais, atuando como vendedores de salgados, de espetinho, mototaxistas, diaristas, babás etc. e não possuem poupança ou outras formas de renda.

 

Justamente por conta dessas peculiaridades é que a população tocantinense necessita muito das ações do governo.

 

CESTAS BÁSICAS

É por isso que temos o dever de enfatizar a relevância da entrega das cestas básicas por parte do governo Mauro Carlesse ás famílias carentes, em resposta às medidas tomadas por conta da pandemia de Covid-19, o inimigo que está aterrorizando o mundo, o Brasil e, consequentemente, o Tocantins.

 

A entrega dos mantimentos teve início nesse fim de semana, nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) dos municípios, intensificando as ações de combate ao novo Coronavírus, causador da doença. A previsão é atender os 139 municípios do Tocantins. Nesse fim de semana, foram atendidos Conceição do Tocantins, Arraias, Novo Alegre, Combinado, Lavandeira, Aurora, Taguatinga, Ponte Alta do Bom Jesus, Novo Jardim, Dianópolis, Taipas, Rio da Conceição, Almas, Porto Alegre, Natividade, Chapada da Natividade, Santa Rosa, Silvanópolis,  Colinas, Nova Olinda, Araguaína, Muricilândia, Aragominas, Santa Fé do Araguaia, Carrasco Bonito e Sampaio.

 

CARÊNCIA AMPLIADA

A necessidade da realização desse trabalho fica ainda mais evidente neste momento em que as medidas de contenção ao Covid-19 abrangem o fechamento do comércio, desde bares e restaurantes até casas lotéricas, onde essa população mais carente costuma realizar os saques dos benefícios sociais do governo federal.

 

Ou seja, é uma carência ampliada pela pandemia e que precisa ser mitigada ou solucionada de maneira tão contundente quanto as medidas de confinamento. Nesta etapa, as cestas básicas estão sendo destinadas para a população idosa cadastrada no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCVF) dos municípios. "A entrega será feita individualmente para evitar aglomeração de pessoas. Os idosos estão sendo atendidos prioritariamente, visto que estão inseridos no grupo de risco, como medida preventiva para evitar a proliferação da Covid-19", destacou o secretário da Setas, José Messias Araújo. “A distribuição das cestas básicas vem sendo um trabalho contínuo do Governo do Tocantins, por meio da Setas, em parceria com Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, municípios, sociedade civil, entre outros".

 

 

Como forma de auxiliar os estudantes que, neste período, estão fora da sala de aula, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), está realizando entrega de kits alimentação e higiene nas unidades de ensino. Nesta segunda-feira, 30, Gurupi e mais cinco municípios receberam os alimentos e os materiais de higiene.

 

Com investimentos de mais de R$ 6 milhões, foram adquiridos mais de 157 mil kits de alimentos para serem distribuídos a todos os estudantes da rede estadual. O cronograma de entrega nas escolas está sendo preparado de acordo com a capacidade dos distribuidores, tendo em vista o grande volume de kits necessários para atender todas as famílias dos estudantes matriculados na rede estadual de ensino.

 

A logística da distribuição prevê que, para os estudantes que residem na zona urbana, os kits serão entregues nas unidades escolares, conforme organização das próprias unidades de ensino, de modo que evite aglomeração de pessoas. Já para os alunos da zona rural, será utilizado o transporte escolar para fazer a entrega dos alimentos nos pontos de embarque dos estudantes.

Posted On Terça, 31 Março 2020 06:44 Escrito por

Senador Eduardo Gomes, relator de MP que trata do crédito extraordinário, aprovou a proposta

 

Por Mônica Bergamo via Folhapress

 

O senador Eduardo Gomes (MDB-TO), líder do governo no Congresso e relator da medida provisória que determina crédito extraordinário para o enfrentamento do novo coronavírus, aprovou proposta de emenda que destina R$ 2 bilhões do fundo eleitoral para o combate à pandemia.

De autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a emenda sugeria ainda que recursos do fundo partidário também fossem remanejados, mas a proposta foi rejeitada.

Se aprovada em outras etapas do trâmite legislativo, a emenda garante o bloqueio dos R$ 2 bilhões do fundo eleitoral para o combate contra o coronavírus, independentemente da definição sobre o adiamento das eleições municipais neste ano.

– Depois vai ser resolvido como financiar a eleição. O problema maior do Brasil nesse momento é tirar recursos de tudo quanto é lugar para fortalecer a rede de prevenção e dar dinheiro para as pessoas ficarem em casa – afirmou Rodrigues.

A medida provisória recebeu 20 propostas emendas, mas apenas a do senador Randolfe Rodrigues foi acatada, parcialmente, pelo relator.

O texto deve passar agora pela comissão mista da Casa e depois seguir para votação na Câmara e no Senado. Ela pode ser aprovada em prazo extraordinário até o final da próxima semana.

– Tínhamos iniciativas nas duas Casas, mas a emenda através da medida provisória, que já tratava de alocar financiamentos, era um mecanismo mais rápido – explicou Randolfe Rodrigues.

 

Posted On Sábado, 28 Março 2020 06:48 Escrito por

O SUSTO JÁ ESTÁ PASSANDO E A COMUNIDADE TOCANTINENSE JÁ TEM CONHECIMENTO DE COMO SE PROTEGER; OS GOVERNOS ESTADUAL E MUNICIPAIS ESTÃO PREVENIDOS; O TRABALHO DA IMPRENSA É FUNDAMENTAL E TODOS ESTÃO CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DE PREVENIR E SE PROTEGER.

A HORA É DO SETOR PRODUTIVO VOLTAR A PRODUZIR.

 

Por: Edson Rodrigues

 

Para evitar mais demissões na iniciativa privada e inibir o caos já instalado entre os profissionais liberais e os informais, é necessário que os governos estadual e municipais reavaliem os decretos de calamidade publica e avaliem a revogação de alguns dos artigos, dentre eles o fechamento do comércio e das poucas industrias que o Tocantins possui e, dessa forma, dar início ao retorno gradativo da normalidade.

 

O Tocantins ainda é um estado de famílias pobres e de poucos recursos. Os tocantinenses não possuem fortunas ou mesmo reservas que os permitam ficar em casa mais de 20 dias sem trabalhar, para manter as despesas básicas, lembrando que o maior empregador do estado é o setor publico, nas esferas federal, estadual e municipal. Mesmo assim, caso o comércio e as poucas indústrias aqui instaladas não voltem suas atividades, o caos no estado será enorme.

 

Sem atividades comerciais no estado não há circulação de moeda. Consequentemente não haverá arrecadação de tributos nos cofres dos municípios e do estado. Não havendo arrecadação, não haverá salários nas contas do funcionalismo público, principalmente os de salários menores. É o que basta para que o caos seja instituído no estado e nos municípios.

 

Portanto, acreditamos que a próxima segunda-feira (30) seja o dia do recomeço, com ressalvas é claro, já que escolas e faculdades podem aguardar mais uns 10 ou 15 dias, considerando que as instituições privadas também precisam pagar seus funcionários e colaboradores.

 

Cuidados essenciais

Nós (eu me incluo nessa faixa etária) que temos mais de 60 anos precisamos redobrar os cuidados. Devemos continuar em casa e aumentar substancialmente a higienização pessoal, evitar aglomerações e cumprir todas as recomendações dos profissionais de saúde e órgãos competentes, até que passe o período de infestação.

 

A hora é de ignorar as picuinhas politicas. Porém, o que temos visto durante o susto e quarentena são aproveitadores politiqueiros e desonestos com a população que, aproveitando da grave situação que atravessamos, estão fazendo da pandemia um palanque político com total desrespeito à população.

 

Particularmente, posso afirmar que tudo isso é uma vergonha e uma grande falta de respeito com todos os que estão confinados e com muito medo de um inimigo invisível e aparentemente implacável, capaz de contaminar a todos e deixar rastros irreparáveis.

 

 

Desta maneira, fica o nosso apelo aos governantes estadual e municipais, para que estudem, com zelo, a possibilidade de revogar parte do decreto de calamidade publica, permitindo o retorno do comércio e industrias, e assim evitar a fome nos lares tocantinense.

 

O novo coronavirus e a política

É bom deixar bem esclarecido que o pronunciamento do presidente da república Jair Bolsonaro foi meio desconectado da realidade em alguns pontos, houve erros e acertos.

 

Respeitando o ponto de vista de cada um, arriscamos a dizer que falta em nosso presidente o bom trato com as palavras, falta diplomacia. Mas dizer que foi um desastre e falar em impeachment, convenhamos que é coisa do passado, de governos que sucatearam o patrimônio brasileiro, em especial a Petrobrás. Governos que, somente da nossa saúde publica roubaram bilhões, os quais estão fazendo falta ao povo brasileiro, que heroicamente enfrenta, além do medo de um vírus desconhecido e ameaçador, as precárias condições da saúde pública e a inexistência de um saneamento básico decente.

 

O presidente Jair Bolsonaro comete muitos erros, sobretudo em sua forma de se expressar. Porém em seu governo, até hoje não se tem notícias de práticas de corrupção, lavagem de dinheiro e outros delitos comuns a outros governos que o antecedeu.

 

Se olharmos no retrovisor da vida podemos enxergar as prisões da lava-jato e os muitos milhões repatriados, roubados do povo brasileiro por membros e aliados dos governos anteriores.

 

É certo que ao primeiro sinal de crise, seja econômica, social ou política, evidenciam-se os interessasses individuais da maioria dos governantes, os mesmos que deveriam estar unidos em defesa da população que os elegeram e garantiu seus gordos salários e privilégios.

 

Infelizmente nem todos encaram a questão com a seriedade que o momento exige e querem armar palanques, tendo como escudo a pandemia ora instalada.

 

É muita falta de vergonha!

 

Posted On Quinta, 26 Março 2020 16:40 Escrito por

Um dos últimos governadores aliados ao presidente, gestor goiano disse que não pode admitir um discurso que contradiz orientações das autoridades sanitárias (Vídeo com a Fala)

 

Com Agências

 

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), ampliou o isolamento político do presidente Jair Bolsonaro em meio ao combate à pandemia do coronavírus. Médico de formação, Caiado rompeu com o agora ex-aliado e demonstrou indignação com o pronunciamento que o presidente convocou na noite de terça-feira, 24, para atacar a imprensa e as medidas restritivas adotadas pelos gestores estaduais.

 

Caiado afirmou que Bolsonaro foi “irresponsável” e criticou duramente os termos “gripezinha” e “resfriadinho”, usados pelo presidente para classificar os sintomas do coronavírus. A doença já matou 46 pessoas no Brasil e mais de 19.000 em todo o mundo.

 

“Tanto na política como na vida, a ignorância não é uma virtude”, disse Caiado, em entrevista coletiva no Palácio das Esmeraldas. A frase usada pelo governador faz referência a uma fala de 2016 do ex-presidente americano Barack Obama contra o populismo manifestado pelo então candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump. Bolsonaro copia o estilo de governar do atual mandatário dos EUA e emula diversos posicionamentos de Trump na crise, como críticas ao isolamento social e o consequente prejuízo econômico que o combate ao vírus causará.

 

O governador afirmou que irá ignorar o pedido de Bolsonaro para que escolas sejam reabertas e para que pessoas voltem a trabalhar sem restrições de locomoção. “Com tranquilidade, mas com a autoridade de governador e de médico, eu afirmo que as declarações do presidente não alcançam o estado de Goiás. As decisões em Goiás serão tomadas por mim, com base no trabalho de técnicos e especialistas”, afirmou.

 

“Não posso admitir e nem concordar com um presidente que vem a público sem ter consideração com seus aliados, sem ter respeito. Fui aliado de primeira hora durante todo o tempo, mas não posso admitir que venha agora, um presidente da República, lavar as mãos e responsabilizar outras pessoas pelo colapso econômico e pela falência de empregos que amanhã venham a acontecer. Não faz parte da postura de um governante. Um estadista tem que ter a coragem de assumir as dificuldades. Se existem falhas na economia, não tente responsabilizar outras pessoas. Assuma sua parcela”, disse Caiado.

 

Em outra crítica ao discurso de Bolsonaro, Caiado declarou que “não é o presidente que tem que prescrever cloroquina na porta do Palácio”. Durante o pronunciamento, o presidente citou o remédio como uma alternativa ao tratamento do coronavírus, embora não haja estudos científicos que comprovem a sua eficácia.

 

Questionado sobre a fala de Bolsonaro pregando um “isolamento vertical”, outro termo que carece de embasamento científico, Caiado afirmou que os líderes devem aprender a se pronunciar de forma correta em meio à pandemia. “Por favor, estamos tratando de um assunto sério”, disse. “Alguém tem dúvida da crise ou do desemprego? Ninguém tem. Então para que responsabilizar os outros? Eu sou governador, tenho que responder pelo estado. E reafirmo: o meu decreto vai prevalecer em Goiás. As decisões do presidente não atravessam as fronteiras e não atingem os 7,2 milhões de goianos.”

 

O governador é aliado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), e contribuiu para a sua indicação ao cargo. Ele preferiu, no entanto, não dizer se Mandetta deveria pedir demissão. “Não cabe a mim opinar sobre a vida de outros líderes políticos”, disse.

Caiado era um dos poucos governadores que ainda vocalizava apoio a Bolsonaro, mas vinha demonstrando desconforto com a postura do presidente em meio à crise do coronavírus. No último dia 15, Caiado confrontou manifestantes que se reuniam numa praça de Goiânia para defender Bolsonaro e protestar contra o Congresso. Ele bateu boca com os presentes e saiu do local sob vaias. No mesmo dia, o presidente ignorou as recomendações sanitárias e confraternizou com apoiadores num ato em Brasília sem usar luvas nem máscaras.

 

Agora na condição de ex-aliado, Caiado declarou não temer retaliações vindas do Executivo Federal. “Se eu tiver que tomar decisões junto ao governo federal, irei tomá-las junto ao STF e ao Congresso. Me é conferido pela Constituição o direito de legislar de forma concorrente com a União quando se trata de saúde pública”, declarou.

Posted On Quarta, 25 Março 2020 11:22 Escrito por
Página 1 de 227

Pesquisa

Última edição

o-paralelo-13-edicao-502.jpg

Boletim de notícias

Boletim de notícias

Colunistas

 

Últimas notícias